sicnot

Perfil

Mundo

Justiça francesa abre nova investigação contra Sarkozy pela campanha de 2007

A justiça francesa abriu uma nova investigação contra o ex-Presidente Nicolas Sarkozy por alegado financiamento irregular da sua campanha eleitoral de 2007, na qual foi eleito chefe de Estado, revelou hoje o jornal Le Parisien.

© POOL New / Reuters

A investigação preliminar foi aberta este mês pela procuradoria-geral  francesa, por suspeita de que Sarkozy utilizou um esquema de faturas falsas  para imputar ao seu partido -- a conservadora União por um Movimento Popular  (UMP) --, gastos da sua campanha. 

A investigação teve por base documentos requisitados pela polícia para  analisar a possibilidade de o anterior Presidente de França ter utilizado  a empresa de comunicação Bygmalion para apagar o rasto de gastos da sua  candidatura em 2012.  

Nicolas Sarkozy, de 59 anos, foi acusado, no início deste mês, de corrupção  ativa, tráfico de influências e violação do segredo profissional no designado  "caso das escutas" e, em caso de condenação, o antigo presidente de França  enfrenta uma pena de até 10 anos de prisão.  

O antigo chefe de Estado francês nega ter cometido qualquer irregularidade  e os seus aliados à direita consideram o caso como uma caça às bruxas, visando  destruir as possibilidades de Sarkozy de regressar aos palcos políticos.

  • Descida da TSU inconstitucional?
    2:37

    TSU

    Especialistas ouvidos pela SIC põem em causa a constitucionalidade da descida da Taxa Social Única dos patrões, como contrapartida pelo aumento do salário mínimo. Como se trata de um imposto pago pelas empresas, só o Parlamento pode decidir uma alteração nas taxas. Neste caso, o Governo decidiu sozinho.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.