sicnot

Perfil

Mundo

Justiça francesa abre nova investigação contra Sarkozy pela campanha de 2007

A justiça francesa abriu uma nova investigação contra o ex-Presidente Nicolas Sarkozy por alegado financiamento irregular da sua campanha eleitoral de 2007, na qual foi eleito chefe de Estado, revelou hoje o jornal Le Parisien.

© POOL New / Reuters

A investigação preliminar foi aberta este mês pela procuradoria-geral  francesa, por suspeita de que Sarkozy utilizou um esquema de faturas falsas  para imputar ao seu partido -- a conservadora União por um Movimento Popular  (UMP) --, gastos da sua campanha. 

A investigação teve por base documentos requisitados pela polícia para  analisar a possibilidade de o anterior Presidente de França ter utilizado  a empresa de comunicação Bygmalion para apagar o rasto de gastos da sua  candidatura em 2012.  

Nicolas Sarkozy, de 59 anos, foi acusado, no início deste mês, de corrupção  ativa, tráfico de influências e violação do segredo profissional no designado  "caso das escutas" e, em caso de condenação, o antigo presidente de França  enfrenta uma pena de até 10 anos de prisão.  

O antigo chefe de Estado francês nega ter cometido qualquer irregularidade  e os seus aliados à direita consideram o caso como uma caça às bruxas, visando  destruir as possibilidades de Sarkozy de regressar aos palcos políticos.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.