sicnot

Perfil

Mundo

China aumenta limitações no uso de nomes nas redes sociais

A China aumentou as limitações no uso de nomes pelos usuários das redes sociais, incluindo referências humorísticas sobre celebridades ou palavras que façam a apologia do terrorismo, segundo as novas regras que entram hoje em vigor.

© Thomas White / Reuters

De acordo com as novas normas, não serão permitidos nomes de usuários que se façam passar por celebridades nem os que contenham palavras que "prejudiquem a unidade nacional ou a segurança". 


Também são proibidos, a partir de hoje os nomes que incitem à discriminação ou racismo, assim como os promovam "a vulgaridade, pornografia e jogos de azar ou a violência" nas redes sociais como o 'microblog' weibo ou a aplicação para telemóveis Wechat, equivalente ao Whatsapp ocidental.


Segundo o Gabinete Estatal de Informação de Internet, os usuários que usem nomes nas redes sociais que a partir de agora passam a ser proibidos, têm um prazo para os alterar, mas caso não o façam, vão perder as suas contas. 


Dois dias antes da entrada em vigor das novas limitações, foi divulgado o encerramento de 60.000 contas nas redes sociais e serviços das principais redes chinesas (Sina, Baidu, Tencent, Alibaba, etc) com vista à adaptação à nova situação. 


Lusa
  • Resgate de mais de 300 migrantes no Mediterrâneo
    2:08
  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01