sicnot

Perfil

Mundo

Estirpe da gripe H3N2 já matou mais que surto da SARS de 2003 em Hong Kong

A estirpe da gripe H3N2 já matou mais pessoas em Hong Kong do que o surto da Síndrome Respiratória Aguda Severa (SARS) que, em 2003, fez 299 vítimas na antiga colónia britânica.

© Bobby Yip / Reuters

Três pessoas morreram este fim de semana em Hong Kong, elevando para 307 o número de casos de gripe fatais desde o início do ano.

Contudo, a taxa de mortalidade da gripe H3N2 figura entre 2% e 3% -- sendo a maioria das vítimas idosos ou doentes crónicos --, enquanto a da SARS correspondia a 17%, pelo que especialistas citados hoje pelo South China Morning Post consideram que os dois vírus não devem, por isso, ser comparados.

Entre as 307 vítimas mortais figura uma criança. Até ao momento, 417 adultos e 17 crianças precisaram de cuidados intensivos, segundo o mesmo jornal.

Estes valores excedem amplamente os da temporada de gripe anterior, uma vez que no ano passado foram registados 149 mortes e 136 casos que careceram de cuidados intensivos, de acordo com a Autoridade Hospitalar da Região Administrativa Especial chinesa.

Em paralelo, Hong Kong registou o primeiro caso mortal de gripe aviária H7N9. Em causa, um homem de 61 anos que contraiu o vírus durante uma visita ao interior da China, onde teve contacto com aves vivas, figurando como a terceira pessoa a ser diagnosticada com esse vírus desde o início do ano no território.

Uma mulher, de 69 anos, permanece em estado crítico, enquanto um outro paciente recebeu já alta hospitalar. Todos viajaram para o interior da China.

Desde o ano 2013 que foram registados cumulativamente na China 609 casos confirmados de infeção humana pela gripe aviária H7N9, os quais resultaram em pelo menos 211 mortos, segundo dados publicados pelos Serviços de Saúde de Macau. 

Macau tem escapado a ambos os surtos, uma vez que não registou, até ao momento, casos graves de H3N2 nem ocorrência de casos da gripe aviária H7N9.



Lusa
  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.