sicnot

Perfil

Mundo

Moscovo classifica cartoon do Charlie Hebdo como "abominável"

O líder da comissão de Negócios Estrangeiros do parlamento russo, Alexei Pushkov, criticou no domingo a publicação de um cartoon do jornal Charlie Hebdo sobre a trégua na Ucrânia, classificando-o como "abominável".

epa

O desenho, intitulado "Cessar-fogo: aborrecimento instala-se em Donetsk", mostra os habitantes da região separatista no meio de ruínas e entulho perguntando-se "E se fizéssemos alguma coisa com cartoonistas?".

"Isto é abominável, não é liberdade de expressão", disse Pushkov através da sua conta de Twitter.

A Rússia apoiou inicialmente a marcha contra o terrorismo que aconteceu em Paris, depois dos ataques de janeiro contra o jornal satírico, mas muitos meios de comunicação e governantes russos acabaram por virar costas ao Charlie Hebdo, dizendo que desrespeita as pessoas de fé.

Três órgãos de comunicação russos foram multados pelo regulador do país, em janeiro, por republicar recentes caricaturas do profeta Maomé.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.