sicnot

Perfil

Mundo

Namorada de opositor russo Nemtsov "retida" na Rússia

A polícia russa ainda está a questionar Anna Duritskaya, a namorada ucraniana do opositor russo Boris Nemtsov, que estava com ele na noite em que foi morto em Moscovo.

Anna Duritskaya

Anna Duritskaya

Daria Buznikova/AP

Testemunha do assassínio do seu namorado, a modelo ucraniana Anna Duritskaya queixa-se de estar a ser retida na Rússia. Em declarações à estação de televisão independente russa TV Rain (Dozhd) disse não perceber porque ainda se encontra em território russo.

"Os investigadores interrogaram-me e não me disseram quando serei libertada nem porque me retêm aqui. Dizem-me que é por razões de segurança", cita a BBC. O canal britânico acrescenta que o advogado da modelo diz que "a polícia tem agido corretamente".

Anna Duritskaya, de 23 anos, mora em Bila Tserkva, a 70 quilómetros de Kiev, diz que está ansiosa para regressar a casa e ir ter com a mãe. Era a namorada de Boris Nemtsov há cerca de dois anos e meio, com quem estava na noite de sexta-feira. Tinham ambos acabado de sair de um restaurante perto do Kremlin quando um carro branco se aproximou, pelas 23h40 locais, 20h40 em Lisboa. Nemtsov foi atingido por quatro tiros, Duritskaya não sofreu qualquer ferimento.

"Não sei de onde veio o assassino. Não o vi. Tudo aconteceu quando estava de costas", disse Duritskaya, à estação de televisão Dozhd, acrescentando que Nemtsov foi atingido nas costas por vários disparos na altura em que cruzavam a pé uma ponte frente à catedral de S. Basílio, em Moscovo.

A testemunha diz que recorda apenas a passagem de um "automóvel de cor clara".    

"Não vi nem a marca nem a matrícula do automóvel que se pôs em fuga. Não vi o assassino a entrar no carro", explicou, dizendo também que não se apercebeu se estavam ou não a ser seguidos. 

A modelo negou que Nemtsov tivesse recebido ameaças por motivos políticos, apesar de o advogado já ter afirmado que o opositor já tinha recebido várias ameaças de morte.

As autoridades russas que ofereceram uma recompensa de três milhões de rublos (cerca de 50 mil euros) por "informação válida" já fizeram saber que estudam várias hipóteses sobre os motivos do assassinato. 

De acordo com a imprensa de Moscovo, os investigadores não excluem que o assassinato do líder da oposição tenha tido como principal intenção provocar instabilidade na Rússia.

Nemtsov era um dos maiores críticos da ingerência da Rússia nos assuntos internos da Ucrânia e já tinha denunciado a presença de milhares de soldados russos que se encontram a combater nas fileiras dos separatistas do leste da Ucrânia.






  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC