sicnot

Perfil

Mundo

Noruega vai arrendar celas de prisão holandesas

A Holanda e a Noruega assinaram hoje um acordo no valor de 25 milhões de euros que prevê o arrendamento de celas prisionais holandesas por Oslo a partir de setembro, anunciou o Governo holandês. 

Ministro da Justiça norueguês, Anders Anundsen

Ministro da Justiça norueguês, Anders Anundsen

FrPMedia

O secretário de Estado da Justiça holandês, Fred Teeven, e o ministro da Justiça norueguês, Anders Anundsen, assinaram o acordo em Veenhuizen, no norte da Holanda, indicou o ministério da Justiça em comunicado. 

O acordo, condicionado à aprovação dos parlamentos dos dois países, prevê a chegada de 242 presos noruegueses à prisão de Norgerhaven a partir de 01 de setembro de 2015.

"A razão deste acordo internacional é o facto de a Holanda dispor de muitas celas prisionais enquanto a Noruega não tem espaço suficiente para a sua população prisional", afirmou o ministério da Justiça holandês no seu comunicado.

O acordo, que custará à Noruega 25 milhões de euros, será válido por um primeiro período de três anos, com a possibilidade de prolongamento por mais um ano.

O direito norueguês será aplicado aos prisioneiros, que serão vigiados por guardas prisionais holandeses e um diretor norueguês.



Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.