sicnot

Perfil

Mundo

Comité Nobel destituiu polémico presidente Thorbjoern Jagland

O Comité Nobel norueguês, que atribui o Nobel da Paz, destituiu hoje o seu contestado presidente Thorbjoern Jagland para o grau de simples membro, uma iniciativa sem precedente na história centenária do prémio, noticiaram as agências internacionais.

O Comité Nobel norueguês, que atribui o Nobel da Paz, demitiu Thorbjoern Jagland como Presidente.

O Comité Nobel norueguês, que atribui o Nobel da Paz, demitiu Thorbjoern Jagland como Presidente.

© Scanpix Scanpix / Reuters

Presidente desde 2009, num período marcado pelas polémicas escolhas do presidente norte-americano Barack Obama, do dissidente chinês Liu Xiaobo e da União Europeia, Jagland vai ser substituído pela ex-líder conservadora Kaci Kullman Five, até agora vice-presidente do Comité.

Nunca desde 1901, ano em que foi atribuído o primeiro Nobel da Paz, um presidente que pretendesse ser reconduzido, como manifestou Jagland, foi destituído.

Kullman Five recusou pronunciar-se sobre as razões que levaram à não-recondução de Jagland.

"Como é tradição, não vou fazer comentarários nem relatar o que foi dito durante a reunião" dos cinco membros do Comité, disse à imprensa.

A reunião, a primeira do ano, tinha por objetivo distribuir funções dentro do Comité e passar em revista as 276 candidaturas ao Nobel da Paz 2015.

"Há um amplo consenso no Comité de que Thobjoern Jagland foi um bom presidente durante seis anos", acrescentou.

Jagland, ex-primeiro-ministro trabalhista, recusou fazer declarações.

A mudança na presidência do Comité foi possibilitada pela mudança da maioria política no Comité, cujos membros são nomeados pelo parlamento da Noruega e, como tal, refletem o equilíbrio de forças na assembleia, dominada pela direita desde 2013.

No entanto, a mudança de relação de forças no parlamento não implica forçosamente a mudança da presidência do Comité. O historiador Francis Sejersted, candidato conservador que dirigiu o Comité entre 1991 e 1999, foi reeleito apesar de a esquerda ter a maioria.

Uma das escolhas polémicas do Comité Nobel foi a atribuição do prémio da Paz ao dissidente chinês Liu Xiaobo em 2010, que levou a China a congelar as relações políticas e comerciais com a Noruega.

Num artigo publicado há cerca de dois meses, o próprio Jagland escreveu que o governo norueguês da altura, de centro-esquerda, o "advertiu contra" a atribuição do prémio a Liu Xiaobo. "Não me pareceu problemático que o governo desse a sua opinião, o problema teria sido se o Comité aceitasse, sobretudo depois de sofrer pressão direta da China", afirmou.

Questionada, a nova presidente recusou qualquer ligação entre esse prémio e a destituição de Jagland. "Apoiei de todo o coração o prémio a Liu Xiaobo", afirmou.

Jagland foi também criticado por acumular o cargo de presidente do Comité Nobel com o de secretário-geral do Conselho da Europa, para o qual foi nomeado em 2009.

Além de Kullman Five e de Jagland, o Comité Nobel em funções é integrado por mais dois membros escolhidos pela direita, Henrik Syse e Inger-Marie Ytterhorn, e uma pelos trabalhistas, Berit Reiss-Andersen.


Lusa
  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".