sicnot

Perfil

Mundo

Escritor Haruki Murakami diz que protestos em Hong Kong "não foram em vão"

O romancista japonês Haruki Murakami lamenta que as manifestações de estudantes em Hong Kong tenham parado, mas acredita que os movimentos pró-democracia do ano passado não foram em vão.

© Petr Josek / Reuters

Murakami manifestou a sua opinião através de uma página dedicada às perguntas dos leitores. Questionado por uma jovem de 22 anos que participou nos protestos entre setembro e dezembro de 2014, o escritor respondeu: "Lamento que muitas das coisas não se tenham passado como esperávamos. Mas aquilo que vocês fizeram pela democratização não foi em vão. Continua a ser um facto e ninguém o pode ignorar".

O escritor deixou ainda palavras de encorajamento à sua interlocutora, incentivando-a a "mudar o mundo, mesmo que seja só um pouco". "Têm o meu apoio", terminou.

Já em novembro, Murakami tinha deixado uma mensagem de apoio aos manifestantes de Hong Kong, comparando a sua luta com aquela que fez cair o muro de Berlim há 25 anos.

  • "Se me pergunta se estou de consciência tranquila, estou"
    2:13

    País

    O ministro Vieira da Silva assegura que aguarda com tranquilidade que a investigação em curso esclareça as alegadas irregularidades na associação Raríssimas. Alguns mecenas estão já a suspender o apoio, na sequência do escândalo que já levou a duas demissões. 

  • Novo regime dos recibos verdes "acaba com as injustiças dos escalões"
    1:10
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.