sicnot

Perfil

Mundo

Europa melhorou na água e ar, maiores desafios são na biodiversidade e clima

A Europa conseguiu melhorias no ambiente, na qualidade da água e do ar ou na redução dos resíduos, mas enfrenta desafios que exigem mudanças profundas, principalmente nas áreas da conservação da biodiversidade e das alterações climáticas.

© Luke MacGregor / Reuters

O relatório "O Ambiente na Europa -- Estado e Perspetivas 2015", elaborado pela Agência Europeia do Ambiente (EEA na sigla em inglês) a cada cinco anos e hoje divulgado, refere que "os europeus têm atualmente ar e água mais limpos, menos resíduos são depositados em aterro, e mais recursos são reciclados".

No entanto, considera que "a Europa ainda está muito longe do objetivo de 'viver bem dentro dos limites do planeta' em 2050", como ficou estipulado no 7.º Programa de Ação para o Ambiente.

"Apesar de utilizarmos os recursos naturais com mais eficiência que antes, ainda estamos a degradar os recursos essenciais", tanto na Europa como no resto do mundo, e na área ambiental não existem fronteiras, salienta o documento.

A perda de biodiversidade e as alterações climáticas "continuam a ser as mais importantes ameaças", para os próximos 20 anos, a que se juntam a degradação da qualidade dos solos e as emissões de gases com efeito de estufa, aspeto relacionado com o consumo de energia, a utilização de combustíveis fósseis e a continuação do aumento da utilização dos transportes.

Os riscos ambientais para o bem estar físico são realçados pela EEA, ao apontar que "não se espera que as melhorias previstas na qualidade do ar, por exemplo, sejam suficientes para impedir danos continuados na saúde e ambiente", ao mesmo tempo que "se espera que os impactes sobre a saúde resultantes das alterações climáticas venham a piorar".

As ações mais prementes para atingir as metas da União Europeia (UE) para 2050 passam por proteger o capital natural, base do desenvolvimento económico e bem-estar humano, estimular a eficiência no uso de recursos e a economia de baixo carbono e proteger as pessoas dos riscos de saúde relacionados com o ambiente. 

Para o diretor da EEA, Hans Bruyninckx, chegar àqueles objetivos exige "abordagens sistémicas", ou seja, as medidas devem encarar a sociedade e o ambiente como um todo, de uma forma integrada.

Hans Bruyninckx falava a jornalistas, em Copenhaga, na apresentação do relatório que reúne informação sobre a situação do ambiente nos vários países europeus e aponta perspetivas até 2050.

Relativamente às alterações climáticas, "se nada mudar, estamos menos otimistas", afirmou.

O responsável da EEA defende serem necessárias ""mudanças profundas" nas práticas, instituições, tecnologias, políticas, estilos de vida e comportamentos, encontrando "formas de melhorar a eficiência do consumo de energia, por exemplo, de modo a assegurar a resiliência dos sistemas naturais e sociais". 

"Se queremos ter boas soluções [de sobrevivência] baseadas na natureza, temos de ter uma natureza forte e em bom estado", afirmou.

O documento refere que os desafios futuros requerem políticas mais ambiciosas, melhor conhecimento e investimentos nas áreas da alimentação, energia, habitação, transportes, saúde e educação, de modo a torná-las mais sustentáveis, reduzindo as emissões de carbono.

O diretor da EEA sublinha ainda as tarefas para evitar a insustentabilidade dos sistemas de produção e consumo, uma pegada ecológica que excede a capacidade do planeta e os impactes de longo prazo, "muitas vezes complexos e cumulativos, sobre os ecossistemas e a saúde".

Lusa
  • Os dias na Terra estão a ficar mais longos

    Mundo

    Os dias estão a tornar-se mais longos, mas impercetivelmente, porque vão ser precisos 6,7 milhões de anos para aumentarem um minuto, segundo um estudo publicado quarta-feira pela Proceedings A da Royal Society britânica.

  • Leica: a marca lendária entre os fotógrafos
    5:54