sicnot

Perfil

Mundo

Defesa diz que Tsarnaev deve ser responsabilizado pelo duplo atentado de Boston

A defesa do suspeito do duplo atentado de Boston perpetrado em 2013 admitiu hoje que Dzhokhar Tsarnaev "deve ser responsabilizado" pelos ataques, assegurando, porém, que o planeamento foi da responsabilidade do irmão mais velho do jovem.

© Stringer . / Reuters

A advogada de defesa Judy Clarke não hesitou em admitir a culpabilidade do cliente no primeiro dia do julgamento, que hoje começou no tribunal federal de Boston. 

Dzhokhar Tsarnaev, um jovem muçulmano de 21 anos de origem chechena que enfrenta 30 acusações federais, arrisca a pena de morte por este duplo atentado, o mais grave nos Estados Unidos desde os ataques do 11 de setembro de 2001. 

A 15 de abril de 2013, duas bombas artesanais explodiram junto da linha de chegada da popular maratona de Boston, matando três pessoas e ferindo outras 264.

"Não vamos evitar a responsabilidade de Dzhokhar pelos seus atos", disse Judy Clarke no início da sua intervenção, imediatamente depois do Ministério Público Federal ter concluído a sua argumentação. 

"Dzhokhar deve ser responsabilizado", acrescentou a advogada, cuja intervenção contrasta com a declaração de inocência efetuada por Dzhokhar Tsarnaev em julho passado. 

A advogada também admitiu que foi o jovem que deixou uma das mochilas que transportavam as bombas artesanais no local das explosões. 

O atentado foi "um ato horrível e sem sentido", um ato "errado cometido por dois irmãos" que é "incompreensível e imperdoável", acrescentou Judy Clarke.

Mas, argumentou a advogada de defesa, foi "um caminho que foi planeado pelo irmão mais velho" Tamerlan Tsarnaev, de 26 anos, que acabaria por ser morto durante uma perseguição policial após o duplo atentado.

Segundo Judy Clarke, foi o irmão mais velho que levou Dzhokhar Tsarnaev até ao local onde foram detonadas as duas bombas.

"Foi Tamerlan Tsarnaev quem se radicalizou, foi Dzhokhar quem o seguiu", defendeu a advogada.  

O julgamento de Dzhokhar Tsarnaev será dividido em duas partes: na primeira, um júri (composto por 12 membros efetivos e seis suplentes) irá determinar se o acusado é ou não é culpado, e na segunda, caso seja considerado culpado, será decidida a aplicação da pena de morte, como pedem as autoridades norte-americanas.

A estratégia da defesa de Dzhokhar Tsarnaev assenta na apresentação de um jovem altamente suscetível à influência de um irmão mais velho, de forma a evitar a condenação à pena de morte durante a segunda fase do julgamento.



Lusa
  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC