sicnot

Perfil

Mundo

Juiz emite mandado de captura contra suspeitos de ataque em Paris realizado há 32 anos

Um juíz francês emitiu um mandado de captura internacional contra três homens, suspeitos de um ataque cometido a 9 de agosto de 1982, em Paris.

A 9 de agosto de 1982, foi lançada uma granada para dentro de um restaurante da capital francesa e dois homens entraram depois, aos tiros, no estabelecimento. Em seguida, o grupo, composto por entre três e cinco elementos, subiu uma rua muito frequentada por judeus e disparou contra quem encontrou pelo caminho. (Arquivo)

A 9 de agosto de 1982, foi lançada uma granada para dentro de um restaurante da capital francesa e dois homens entraram depois, aos tiros, no estabelecimento. Em seguida, o grupo, composto por entre três e cinco elementos, subiu uma rua muito frequentada por judeus e disparou contra quem encontrou pelo caminho. (Arquivo)

AP

Um dos homens vive na Noruega, os outros dois no Médio Oriente. 

A decisão do magistrado acontece cerca de dois meses depois dos atentados ao jornal Charlie Hebdo e a um supermercado da capital francesa, e está a ser interpretada como uma mensagem forte contra os terroristas.

A 9 de agosto de 1982, foi lançada uma granada para dentro de um restaurante da capital francesa e dois homens entraram depois, aos tiros, no estabelecimento. Em seguida, o grupo, composto por entre três e cinco elementos, subiu uma rua muito frequentada por judeus e disparou contra quem encontrou pelo caminho. 

Seis pessoas morreram e 22 ficaram feridas neste ataque, que ainda hoje é o atentado anti-semita mais mortífero em França.
  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.