sicnot

Perfil

Mundo

Navio da II Guerra Mundial descoberto ao largo das Filipinas

Um dos maiores navios afundados na II Guerra Mundial foi encontrado a 1000 metros de profundidade, ao largo das Filipinas. O responsável pelo achado foi um dos fundadores da Microsoft, o multimilionário norte-americano Paul Allen, um entustiasta da pesquisa científica, que há oito anos partiu à procura deste navio de guerra japonês.

Esta quarta-feira, no Twitter, Allen publicou o registo captado pela equipa que usou meios tecnológicos e inclusive um robot de bordo para localizar os destroços da embarcação, afundada há mais de quatro décadas.

Esta quarta-feira, no Twitter, Allen publicou o registo captado pela equipa que usou meios tecnológicos e inclusive um robot de bordo para localizar os destroços da embarcação, afundada há mais de quatro décadas.

Twitter

Esta quarta-feira, no Twitter, Allen publicou o registo captado pela equipa que usou meios tecnológicos e inclusive um robot de bordo para localizar os destroços da embarcação, afundada há mais de quatro décadas.

Foi em outubro de 1944 que, numa das batalhas navais no Pacífico, o Musashi foi afundado pelos americanos. Era então o orgulho da armada japonesa, com mais de 270 metros e equipado com o melhor arsenal à época.
 
No naufrágio, morreram mais de 1000 pessoas.
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".