sicnot

Perfil

Mundo

Putin diz que assassinato de Nemtsov teve contexto político

Putin diz que assassinato de Nemtsov teve contexto político

Esta manhã, em Moscovo, numa reunião com responsáveis de segurança, Vladimir Putin disse que o país tem de acabar com este tipo de tragédias. O Presidente russo considera que o homicídio do opositor Boris Nemtsov teve um contexto político e alertou contra o aumento do "crime extremista".

"Devemos prestar uma maior atenção a crimes que incitam uma grande reação, incluindo aqueles com carga política", afirmou Putin, durante um encontro com responsáveis do Ministério do Interior russo, transmitido na televisão.

O chefe de Estado russo defendeu que se deve "livrar a Rússia de desgraças e de tragédias" como "o audacioso assassinato de Boris Nemtsov em pleno centro da capital [Moscovo]".

Boris Nemtsov, de 55 anos, um reconhecido crítico de Putin e um defensor da luta anticorrupção, foi morto a tiro em Moscovo na passada sexta-feira, depois de ter dado uma entrevista a uma rádio sobre o protesto da oposição que estava a organizar.

Numa primeira reação, Putin qualificou o assassinato de Nemtsov como uma "provocação" e prometeu, na mesma altura, fazer de tudo para levar à Justiça os responsáveis pela morte do opositor.

"Tudo será feito para que organizadores e autores de um assassinato vil e cínico recebam o castigo que merecem", afirmou então Putin num telegrama enviado à mãe de Nemtsov e que foi publicado no portal do Kremlin.

Os investigadores indicaram entretanto que estão a estudar várias hipóteses sobre os possíveis motivos do assassinato, incluindo a oposição de Nemtsov às ações militares russas na Ucrânia e a sua condenação pública do ataque contra o jornal satírico francês Charlie Hebdo cometido em janeiro último em Paris.

Ainda no encontro com os responsáveis do Ministério do Interior, Vladimir Putin alertou contra o aumento do "crime extremista", mas sem vincular estas ações diretamente com o assassinato de Nemtsov.

"Extremistas envenenam a sociedade com um nacionalismo militante, intolerância e agressividade", sublinhou Putin, acrescentando que o clima de agitação na Ucrânia foi uma consequência desse extremismo.

"É importante reagir imediatamente face a qualquer sinal de ação extremista", concluiu o chefe de Estado russo.


Com Lusa
  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão