sicnot

Perfil

Mundo

Boko Haram executa moradores em cidade no nordeste da Nigéria

O grupo extremista Boko Haram está a concentrar combatentes em Gwoza, no nordeste da Nigéria, e executou os moradores da cidade que não conseguiram fugir, disseram hoje testemunhas citadas pela agência de notícias francesa AFP. 

© Stringer . / Reuters

Uma moradora que fugiu de Gwoza na terça-feira disse hoje que os rebeldes do Boko Haram cercaram os homens mais velhos que estavam a estudar o Corão na porta da casa de um clérigo local.

Os homens foram executados em frente às suas esposas, segundo a testemunha, que está em Yola, capital do estado de Adamawa.

Alguns detalhes do relato desta testemunha foram confirmados por um senador da região, Ali Ndume, referindo ainda que há uma grande concentração de homens do grupo rebelde em Gwoza. 

"Os membros do Boko Haram têm, nos últimos dias, convergido para Gwoza, onde mataram vários homens da localidade e perseguiram as mulheres e as crianças já fora da cidade", disse Ndume.

O grupo terrorista, liderado por Abubacar Shekau, proclamou em agosto um califado islâmico em Gwoza, cidade que foi tomada em junho e que fica no estado nigeriano de Borno.

A Nigéria, os Camarões, o Chade e o Níger lançaram em fevereiro uma ofensiva conjunta sem precedentes contra os rebeldes, recuperando cidades e aldeias que estavam sob controlo do Boko Haram.

Ndume especulou que os extremistas estariam a preparar-se para defender a cidade símbolo para o grupo, na perspetiva do avanço dos militares, nomeadamente de tropas chadianas que operam na área com a permissão da Nigéria. 

A Nigéria está sob intensa pressão para mostrar progressos no combate ao Boko Haram antes de 28 de março, quando se realizam as eleições, previstas para fevereiro mas que foram adiadas por seis semanas para permitir aos militares pacificarem o nordeste do país.



Lusa
  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida