sicnot

Perfil

Mundo

Boko Haram mata 68 pessoas, entre as quais crianças, no nordeste da Nigéria

Pelo menos 68 pessoas, entre as quais crianças, foram mortas num massacre perpetrado pelo grupo radical islâmico Boko Haram numa aldeia do nordeste da Nigéria, indicaram hoje testemunhas e membros de uma milícia local.

© Stringer . / Reuters

O ataque ocorreu na terça-feira na aldeia de Njaba, que ficou totalmente destruída pelas chamas.  

"Eu participei na contagem dos cadáveres, 68 pessoas foram mortas", declarou Muminu Haruna, de 42 anos, que conseguiu fugir.

Segundo Haruna e outras três testemunhas, várias crianças foram deliberadamente tomadas como alvos. 

Os elementos do Boko Haram estavam fortemente armados e entraram na aldeia do estado de Borno "vindos de todas as direções", disse Falmata Bisika, de 62 anos, que fugiu para a capital do estado, Maiduguri, a cerca de 50 quilómetros a norte de Njaba, onde falou à imprensa.

"Os terroristas estavam armados até aos dentes", relatou a testemunha, que os viu disparar sobre os habitantes em fuga, incluindo "adolescentes e velhos". 

"É muito improvável que eu alguma vez regresse: quatro dos meus netos foram mortos", observou. 

Ali Mulai, membro de uma milícia local, disse que o ataque começou pelas 05:00 locais (04:00 TMG e de Lisboa).

"Entre as vítimas havia meninos e meninas com idades entre os 13 e os 19 anos e outros habitantes mais velhos que foram mortos a tiro ou esquartejados", indicou.

Outro elemento da mesma milícia referiu que o ataque deverá ter sido lançado a partir de Gwoza, onde o Boko Haram está a concentrar combatentes. 

Gwoza é também a cidade do estado de Borno onde o líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, primeiro proclamou a existência de um califado islamista dentro da Nigéria.



Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite