sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro australiano sugere que as buscas pelo MH370 sejam reduzidas

 Primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, sugeriu hoje que as buscas pelo voo MH370 da Malaysia Airlines sejam reduzidas, a três dias do primeiro aniversário do desaparecimento do avião.

© Stringer Australia / Reuters

A aeronave voava de Kuala Lumpur para Pequim, no dia 08 de março de 2014, com 239 pessoas a bordo, quando desapareceu, não tendo sido ainda encontrados quaisquer vestígios, apesar das intensas buscas no mar.


"Quero reafirmar junto das famílias a nossa esperança e expectativa que as buscas sejam bem-sucedidas", disse Abbott no Parlamento, em Camberra.


"Não posso prometer que as buscas continuem com esta intensidade para sempre, mas vamos dar o nosso melhor para resolver este mistério e providenciar algumas respostas", ressalvou.


A Austrália lidera as operações de buscas no Oceano Índico a cerca de 1.600 quilómetros da costa, com quatro embarcações equipadas com sonares sofisticados.


Lusa
  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.