sicnot

Perfil

Mundo

Resgatados corpos de 32 mineiros mortos na Ucrânia

As equipas de resgate encontraram os corpos dos 32 mineiros na mina de Zasyadko, no leste da Ucrânia, um dia depois de uma explosão ocorrida no local, disse hoje uma fonte rebelde. 

© Baz Ratner / Reuters

"Trinta e dois corpos dos mineiros mortos em Zasyadko foram encontrados" hoje de manhã, anunciou, em comunicado, o Ministério da Emergência da auto proclamada República Popular de Donetsk, acrescentando que os corpos estavam a ser retirados e que um mineiro ainda não foi encontrado.

 

Os trabalhos continuam para encontrar o mineiro ainda desaparecido.

 

A administração pró-Kiev da região de Donetsk disse que foram já retirados 14 corpos da mina e que sete tinham sido identificados.

 

"A operação de resgate continua", acrescenta.

 

A explosão ocorreu na quarta-feira na mina de gás de Zassiadko, uma das maiores da Ucrânia, com mais de 10 mil funcionários e onde se registaram vários acidentes nos últimos anos.


Lusa

  • Recuperados corpos de 10 mineiros mortos na explosão de uma mina na Ucrânia

    Mundo

    Os corpos de dez dos pelo menos 30 mineiros mortos na explosão de uma mina em Donetsk, cidade separatista do leste da Ucrânia, foram recuperados, prosseguindo as buscas para encontrar os outros 20, informou a administração daquela cidade. A explosão ocorreu na mina de Zassiadko, uma das maiores da Ucrânia, com mais de 10 mil funcionários e onde vários acidentes ocorreram nos últimos anos.

  • Explosão em mina na Ucrânia mata mais de 30 pessoas
    1:25

    Mundo

    Mais de 30 pessoas terão morrido numa explosão numa mina de carvão em Donetsk, no leste da Ucrânia, revelou Volodymyr Groysman.Os números não são oficiais mas várias fontes confirmam que faltam 30 homens entre os mais de 160 que foram resgatados do interior da mina. A mina é uma das mais importantes da cidade e é controlada pelos rebeldes separatistas. O Presidente do Parlamento disse aos deputados que este acidente foi "uma terrível tragédia" e pediu um minuto de silêncio pelas vítimas.

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.