sicnot

Perfil

Mundo

OMS apela para vacinação intensificada contra sarampo na Europa para "pôr fim aos vários focos"

A OMS apelou hoje os Estados europeus "a intensificarem a vacinação contra o sarampo aos grupos etários em situação de risco", visando "pôr fim aos vários focos" que atualmente afetam os países e prevenir novos surtos.

Em Portugal, a taxa de vacinação é superior a 95 por cento.

Em Portugal, a taxa de vacinação é superior a 95 por cento.

Reuters

Em nota hoje divulgada na página da Internet, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou que "todos os países precisam manter uma cobertura de vacinação de rotina muito elevada para que surtos semelhantes de sarampo não voltem a acontecer novamente na região europeia e possam ser eliminados de uma vez por todas".

A agência da ONU para a Saúde estimou em 23 mil o número de casos de sarampo registados na Europa, apontando o Cazaquistão como o país mais atingido, com sete mil casos notificados entre 01 de janeiro do ano passado e 01 de março de 2015.

A OMS acrescentou que "um número significativo de casos de sarampo foi também reportado na Bósnia e Herzegovina, Croácia, Geórgia, Itália, Cazaquistão, Rússia, Sérvia e Alemanha", onde começou o surto, que matou uma criança de 18 meses, em fevereiro, por não ter sido vacinada.

No mês passado, o ministro de Saúde federal, Hermann Grohe, apelou à população para verificar os registos de vacinas dos respetivos núcleos familiares, denunciando "alguns opositores irresponsáveis das vacinas que semeiam um medo irracional".

"Aquele que se recusa em vacinar o seu filho não só coloca essa criança em risco, mas também os outros", disse, na altura, o ministro, num comunicado.

Mas uma porta-voz do Ministério de Saúde federal alemão precisou que não estava previsto tornar a vacinação obrigatória, indicando, no entanto, que a informação aos pais iria ser reforçada e os boletins de vacinas verificados.

Os opositores do processo de vacinação contra o sarampo na Alemanha afirmam que a vacina pode ter efeitos colaterais e que podem ser perigosos para as crianças.

Hoje, o diretor do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças, Marc Sprenger, considerou que o aumento de pessoas que recusam a vacinação pode representar um problema para a Europa.

O especialista lembrou que os surtos de sarampo que existem na Europa começaram na Alemanha, em Berlim, porque "existem ´clusters` de pessoas que se recusam a vacinar os filhos, o que é lamentável porque a vacina é muito importante para prevenir a doença".

"Se estes grupos aumentarem, teremos um problema na Europa", disse Marc Sprenger, em declarações aos jornalistas no final de uma visita ao Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), em Lisboa.

Segundo o Instituto Robert Koch, o sarampo chegou a Berlim com os requerentes de asilo oriundos da Sérvia e da Bósnia-Herzegovina, países que registam uma epidemia severa de sarampo desde fevereiro de 2014.


Lusa
  • Hoje joga Portugal (mas antes há um Uruguai-Rússia em direto na SIC)

    Mundial 2018 / O Mundial

    Começa a última jornada da fase de grupos do Mundial, com quatro jogos por dia. Às 15:00, numa partida transmitida em direto na SIC, a anfitriã Rússia e o Uruguai resolvem qual poderá ser o adversário de Portugal nos oitavos de final. Isto, dependendo claro da prestação da seleção nacional frente ao Irão, ao fim da tarde, uma vez que a qualificação não está garantida (e pode até depender do resultado do Espanha-Marrocos).

  • "É a primeira vez que vai ser testado o programa do Nuno Crato"
    0:57

    País

    Os alunos do 11º e 12º anos de escolaridade fazem hoje o exame de matemática, uma das provas mais importantes no acesso à universidade e para a conclusão do ensino obrigatório. No final do secundário, são quase 50 mil os alunos que hoje fazem a prova que acarreta algumas alterações instituídas ainda pelo ex-ministro Nuno Crato, como explicou à SIC Notícias o diretor do Liceu Camões, em Lisboa.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes