sicnot

Perfil

Mundo

OMS diz que direitos das mulheres à saúde "continuam a ser violados" no mundo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou hoje que os direitos das mulheres à saúde "continuam a ser violados" e apontou os elevados casos de cancro e do VIH/Sida como os principais problemas que mais afetam esta camada social.

REUTERS

Em nota hoje divulgada por ocasião do Dia Internacional da mulher, que se assinala no domingo, a diretora-geral adjunta para a Família, Mulher e Saúde da Criança da OMS, Flávia Bustreo, disse que "as mulheres continuam a enfrentar imensos problemas de saúde" e que o mundo "deve voltar a comprometer-se" com as metas adotadas há 20 anos aquando da assinatura da Declaração e Plataforma de Ação de Pequim, em 1995.

O posicionamento da agência da ONU segue-se ao apelo lançado na quinta-feira pelo Banco Mundial que exigiu a "resultados concretos" na redução das disparidades de género, duas décadas depois da assinatura por 189 governos do guia histórico que define a agenda para a materialização dos direitos das mulheres.

Flavia Bustreo apontou dois tipos de cancro mais comuns que afetam as mulheres a nível mundo - o da mama e cancro do colo do útero -, pelo que apelou a rápida deteção destas enfermidades como "a chave para manter as mulheres saudáveis".

"Os últimos números globais mostram que, anualmente, cerca de meio milhão de mulheres morrem de cancro cervical e que meio milhão por cancro de mama. A grande maioria dessas mortes ocorre em países de baixa e média renda, onde o rastreio, a prevenção e o tratamento são quase inexistentes, pelo que se precisa assumir o controlo da vacinação contra o vírus do papiloma humano", afirmou a responsável.

Flavia Bustreo acrescentou que apesar de melhorias registadas na área de saúde materna, resultante das medidas introduzidas no século passado, muitas mulheres continuam a morrer devido a complicações na gravidez e no parto, porque "os benefícios não se estendem por toda parte".

 "Em 2013, cerca de 300 000 mulheres morreram devido à complicações na gravidez e no parto. A maioria dessas mortes poderia ter sido evitada", exemplificou.

"É por isso que a OMS e os seus parceiros estão a desenvolver uma nova estratégia global para mulheres, crianças e adolescentes na área da saúde", disse, defendendo "a renovação de compromissos em termos de política, financiamento e ação, para garantir que o futuro traga saúde para todas as mulheres e raparigas, sejam elas quem forem e onde quer que vivam".



Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.