sicnot

Perfil

Mundo

Piloto ucraniana detida na Rússia põe fim a greve de fome

A piloto militar ucraniana Nadia Savtchenko, em greve de fome há 84 dias para protestar contra a sua detenção na Rússia, decidiu pôr fim à sua ação, disse hoje o seu advogado Mark Feïguin.

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

Nadia Savtchenko, de 33 anos, "tomou esta decisão porque já estava no limite das suas forças, com fortes quebras de tensão, convulsões, prestes a desaparecer", indicou Feïguin, em declarações à agência de notícias francesa, AFP.

"O seu estado de saúde não lhe permite comer normalmente" e, por isso, numa primeira fase, vai alimentar-se de "sumos de fruta e papas", precisou.

"Estou radiante por Nadia ter seguido o meu conselho de cessar a sua greve de fome, de não dar aos seus inimigos o prazer de morrer", escreveu Feïguin na sua página da rede social Twitter.

Savtchenko, que iniciou a greve de fome em dezembro, teve de escolher entre ser submetida a uma "alimentação forçada" no hospital, agendada para os próximos dias a pedido dos médicos, e pôr fim à sua ação de protesto, indicou, por sua vez, outro advogado da piloto, Nikolaï Polozov.

A jovem mulher, cujo peso passou dos habituais 75 quilos para 54, segundo os seus advogados, tinha já anunciado na quinta-feira que aceitara comer uma canja de galinha, mas o seu organismo rejeitou-a, por ser "demasiado gorda para o seu estado", e Nadia pediu hoje ao serviço penal para elaborar para ela "uma dieta com puré de frutos e legumes e sumos diluídos em água", precisou Polozov.

Federica Mogherini, chefe da diplomacia da União Europeia (UE), manifestou-se na quarta-feira preocupada com o estado de saúde da prisioneira, considerando que ela poderia "ver a sua saúde deteriorar-se de forma irreversível, ou morrer", se não fosse libertada "com urgência".

Por sua vez, o Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, declarou na quarta-feira ter pedido ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, para libertar "imediatamente" a piloto, nomeadamente "por razões médicas".

A resposta de Putin "foi enviada" ao Presidente ucraniano, disse hoje o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, não adiantando mais pormenores.

Detida no início de julho de 2014 em território russo, segundo Moscovo -- ao passo que os ucranianos afirmam que ela foi capturada e entregue a Moscovo pelos separatistas -, Nadia Savtchenko é acusada do "homicídio premeditado" de dois jornalistas russos no leste da Ucrânia, em meados de junho.

A justiça russa afirma que a piloto comunicou ao exército ucraniano a posição dos dois jornalistas, mortos por um morteiro. Segundo os investigadores, "o seu crime é passível de pena de morte ou prisão perpétua".

A sua captura valeu a Savtchenko uma enorme popularidade na Ucrânia, onde foi simbolicamente eleita deputada nas eleições legislativas de outubro.



Lusa
  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51