sicnot

Perfil

Mundo

Rainha jordana classifica Estado Islâmico como um "bando de malucos"

A rainha jordana, Rania, classificou na quarta-feira o Daesh (acrónimo árabe para a organização auto designada Estado Islâmico) como um "bando de malucos" que está a manchar o nome do Islão. 

© Aaron Harris / Reuters

A esposa do rei Abdullah II apelou à comunidade internacional para que não se foque nas reivindicações religiosas do grupo e sugeriu que o auto designado Estado Islâmico (EI) deveria deixar cair o "I" do seu nome, "porque não tem nada de islâmico".

Durante uma entrevista com Arianna Huffington, que dá o nome a um sítio de informação na internet, Raina afirmou: "Esta luta é uma luta entre o mundo civilizado e um bando de malucos que nos quer fazer regressar aos tempos medievais".

As declarações foram prestadas durante uma conferência, em Londres, ao fim de quarta-feira.

Rania alertou para o perigo de deixar o Daesh "raptar" a identidade do Islão, argumentando que isso iria autorizá-lo a realizar "uma batalha de civilizações". 

Para reforçar o seu argumento, disse: "As pessoas chamam-lhes Estado Islâmico, mas gostaria que o "I" desaparecesse porque não têm nada de islâmico. Eles não têm nada a ver com fé, mas tudo com fanatismo". 

Nesta linha argumentativa, insistiu: "Eles querem ser chamados de islâmicos porque isso lhes dá legitimidade e também significa que qualquer ação feita contra eles automaticamente vai ser considerada uma guerra contra o Islão". 

Em síntese, no entender de Rania, "eles (Daesh) querem esse confronto de civilizações de que as pessoas falam". 

A rainha jordana, de 44 anos, avisou também o Daesh que as suas exibições de violência, como a imolação do piloto jordano Maaz al-Kassasbeh, reforça a determinação dos moderados.

"As táticas de medo que esses terroristas estão a usar vão fazer ricochete, porque apenas irritam os jordanos", disse à fundadora do Huffington Post.

"Em vez de os assustar, apenas lhes dá vontade de lutar", avançou. 

Kassasbeh foi capturado pelo Daesh em dezembro, depois de o seu avião de combate F-16 ter caído na Síria, quando estava em missão da coligação liderada pelos EUA contra este grupo.

Lusa
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.