sicnot

Perfil

Mundo

Testemunha de assassínio de opositor russo diz ter sido ameaçada de morte

A testemunha do assassínio do opositor russo Boris Nemtsov, em Moscovo, afirmou ter sido ameaçada de morte depois de regressar à Ucrânia, anunciou hoje o Ministério Público ucraniano.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Tatyana Makeyeva / Reuters

As autoridades ucranianas acrescentaram que tomaram medidas para "garantir a segurança" de Ganna Duritska. 

 

"A 5 de março de 2015, Ganna Duritska, testemunha no caso do assassínio do opositor russo Boris Nemtsov, deslocou-se à esquadra de Bila Tserkva na região de Kiev para declarar que desconhecidos fizeram ameaças à sua vida, durante a estada na casa da família", de acordo com um comunicado.

 

Duritska regressou na segunda-feira a casa dos pais, em Kiev, proveniente de Moscovo.

 

O porta-voz do Ministério Público ucraniano Andri Demartyno afirmou que agentes das forças especiais da polícia iriam garantir a segurança de Duritska. O porta-voz não especificou a natureza das ameaças de morte.

 

Nemtsov, um dos mais ferozes críticos do presidente russo, Vladimir Putin, foi abatido a tiro a alguns metros de distância do Kremlin, pouco antes da meia-noite de sexta-feira, na presença de Duritska.

 

No mesmo comunicado, o Ministério Público ucraniano informou que a polícia abriu uma investigação ao caso.


Lusa 

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07