sicnot

Perfil

Mundo

Japoneses em manifestação contra o nuclear

Uma plataforma antinuclear japonesa convocou hoje uma manifestação frente ao parlamento nipónico contra a decisão do Governo em reativar as centrais nucleares do país quando o Japão se preparara para assinalar o quarto aniversário do acidente de Fukushima.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Shannon Stapleton / Reuters

A 11 de março de 2011 um forte sismo, seguido de tsunami, provocou milhares de mortos e o pior acidente nuclear desde Chernobil, em 1986.

A concentração de hoje, que pretende realizar um cordão humano em volta do parlamento japonês, não quer voltar à energia nuclear depois dos 48 reatores de uso comercial terem sido desligados após ao acidente de Fukushima.

Cerca de 30% da energia consumida no Japão era derivada das centrais nucleares o que fez aumentar fortemente os custos para o Japão atual, obrigado a recorrer a outras fontes energéticas, principalmente as energias fósseis.

O Governo do primeiro-ministro Shinzo Abe pretende relançar a produção nuclear, cumpridos os novos requisitos de segurança e obtida autoridades dos poderes locais onde as centrais estão instaladas.

Um inquérito telefónico feito em novembro pela agência Kyodo dá conta que 60,2% dos japoneses estão contra a utilização das centrais nucleares para a produção elétrica e que apenas 31,9% apoia a medida.



Lusa
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.