sicnot

Perfil

Mundo

Japoneses em manifestação contra o nuclear

Uma plataforma antinuclear japonesa convocou hoje uma manifestação frente ao parlamento nipónico contra a decisão do Governo em reativar as centrais nucleares do país quando o Japão se preparara para assinalar o quarto aniversário do acidente de Fukushima.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Shannon Stapleton / Reuters

A 11 de março de 2011 um forte sismo, seguido de tsunami, provocou milhares de mortos e o pior acidente nuclear desde Chernobil, em 1986.

A concentração de hoje, que pretende realizar um cordão humano em volta do parlamento japonês, não quer voltar à energia nuclear depois dos 48 reatores de uso comercial terem sido desligados após ao acidente de Fukushima.

Cerca de 30% da energia consumida no Japão era derivada das centrais nucleares o que fez aumentar fortemente os custos para o Japão atual, obrigado a recorrer a outras fontes energéticas, principalmente as energias fósseis.

O Governo do primeiro-ministro Shinzo Abe pretende relançar a produção nuclear, cumpridos os novos requisitos de segurança e obtida autoridades dos poderes locais onde as centrais estão instaladas.

Um inquérito telefónico feito em novembro pela agência Kyodo dá conta que 60,2% dos japoneses estão contra a utilização das centrais nucleares para a produção elétrica e que apenas 31,9% apoia a medida.



Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.