sicnot

Perfil

Mundo

Obama defende direito à educação de meninas e mulheres em todo o mundo

O presidente norte-americano, Barack Obama, defendeu hoje, durante o discurso semanal, o direito à educação das meninas e adolescentes no mundo, por ocasião do Dia Internacional da Mulher que se assinala este domingo.

© Jonathan Ernst / Reuters

"Cada menina merece o nosso respeito e cada menina merece uma educação", assinalou Barack Obama.

Este dia, afirmou o presidente dos Estados Unidos, é "para celebrar as valiosas mulheres e meninas de todo o mundo, e para voltar a dedicar-nos a defender os direitos fundamentais e a dignidade de toda a gente".

O presidente e a primeira-dama, Michelle Obama, apresentaram esta semana o programa "Deixem que as meninas aprendam", para promover a educação das 62 milhões de meninas e adolescente em todo o mundo que, atualmente, não frequentam a escola.

Obama advogou que é preciso superar as "barreiras" que impedem estas menores de frequentarem a escola, bem como a falta de recursos económicos, ou porque o seu destino é o do matrimónio precoce e o de converterem-se em mães adolescentes, ou porque "talvez seja demasiado grande o risco de sofrer um sequestro, um ataque ou de morrerem assassinadas por homens que fazem qualquer coisa para impedir que as meninas aprendam".

O chefe do Estado norte-americano lamentou que em muitas partes do mundo "continue a valorizar-se mais os seus corpos que as suas mentes", algo que "está mal", instando a comunidade internacional a atuar para reverter esta tendência.

O Governo dos Estados Unidos vai impulsionar, através de uma nova iniciativa, uma série de programas já existentes, fundamentalmente, em África e no Médio Oriente, com o apoio da agência de cooperação USAID [Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional], e que serão centrados na educação, saúde, nutrição e violência de género.

"Queremos assegurar que não seja negada a oportunidade de aprender a nenhuma menina do mundo", afirmou o responsável, sublinhando que quando as meninas recebem educação, o impacto positivo reflete-se na sociedade, na economia e na estabilidade do país.

Asseverou, a propósito, que "os lugares onde se tratam as mulheres e as meninas como cidadãos plenos e iguais tendem a ser mais estáveis e mais democráticos".

A primeira fase do programa "Deixem que as meninas aprendam" irá abranger 11 países: Albânia, Benin, Burkina Faso, Camboja, Geórgia, Gana, Moldávia, Mongólia, Moçambique, Togo e Uganda.

O Governo espera conseguir apoios do setor privado e já solicitou ao Congresso 250 milhões de dólares (230 milhões de euros) para financiar este projeto.

Lusa
  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.