sicnot

Perfil

Mundo

EUA destacam três mil militares para exercício da NATO no Báltico

Os Estados Unidos vão destacar três mil militares para um exercício de três meses que a NATO vai realizar no Báltico, juntamente com a Letónia, Lituânia e Estónia, informaram hoje fontes militares.

Bandeira dos EUA a meia haste em frente à Igreja Central em Killeen, junto à base militar do Texas onde um atirador matou quatro pessoas e feriu outras 16, tendo-se suicidado de seguida. Na origem do tiroteio pode ter estado uma discussão entre militares.

Bandeira dos EUA a meia haste em frente à Igreja Central em Killeen, junto à base militar do Texas onde um atirador matou quatro pessoas e feriu outras 16, tendo-se suicidado de seguida. Na origem do tiroteio pode ter estado uma discussão entre militares.

© Erich Schlegel / Reuters

Segundo o porta-voz do Pentágono, coronel Steven Warren, veículos, helicópteros e equipamento pesado começaram a chegar a Riga, capital da Letónia.

Entre o material estão tanques Abrams e veículos de combate Bradley, bem como outro equipamento de apoio, que ficará o "tempo necessário para deter a agressão russa", disse, em Riga, o general norte-americano John O'Connor.

"O exercício vai demonstrar ao Presidente da Rússia, Vladimir Putin, que, coletivamente, nos conseguimos unir", sublinhou.

A Estónia, a Letónia e a Lituânia, que têm pouco equipamento militar, são membros da NATO e da União Europeia desde 2004.

A anexação da Crimeia pelo regime de Moscovo o ano passado e o recente conflito com a Ucrânia levou a NATO a focar-se na vulnerabilidade daqueles países do Báltico.

A Rússia tem feito uma série de manobras naquela região, levando a crer que pode tentar desestabilizar aqueles países que faziam parte da ex-União Soviética.

A NATO está a tentar contrariar a Rússia através do aumento da presença militar no flanco oriental da Europa.


Lusa
  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.