sicnot

Perfil

Mundo

Estado Islâmico mata quatro homens acusados de serem homossexuais

 O movimento extremista Estado Islâmico (EI) degolou hoje em público quatro jovens, que acusou de serem homossexuais, na cidade iraquiana de Mossul, controlada pelos 'jihadistas' desde o verão passado. 

© STRINGER Iraq / Reuters

Um funcionário da administração local Mohamed Fares disse à agência noticiosa espanhola EFE que os combatentes do EI convocaram os habitantes do bairro Al Rashidia, no norte de Mossul, para assistirem à execução dos quatro jovens, com idades entre os 20 e os 30 anos.  


A homossexualidade é proibida no mundo islâmico. Na maioria dos países islâmicos é um delito punido com prisão e na Arábia Saudita, Sudão ou Iémen pode ser aplicada a pena de morte. 


De acordo com Fares, o juiz designado pelo EI, identificado como Taha Husein, pronunciou a sentença ditada pelo "tribunal legítimo" do grupo fundamentalista. 


Os quatro homens foram executados por elementos do EI que, ao mesmo tempo, rezavam e gritavam "Allahu Akbar" ('Deus é grande'), o que levou os residentes presentes a abandonarem imediatamente o local.


A 06 de janeiro, o EI assassinou quatro jovens, que acusou de serem homossexuais, com idades entre os 18 e os 26 anos, que atirou do terraço da sede da companhia de seguros iraquiana, em frente ao edifício da administração de Mossul.


O movimento terrorista executou já milhares de pessoas, incluindo antigos candidatos a deputados, ativistas, intelectuais e membros das forças armadas e da polícia.


A 10 de junho do ano passado, o EI ocupou Mossul, a segunda cidade mais importante do Iraque e rapidamente estendeu o controlo a largas zonas do norte do país, o que levou centenas de milhares de pessoas a fugirem de suas casas. 


Pouco depois, o movimento proclamou a existência de um califado nos territórios que controla no Iraque e na vizinha Síria, e impos uma interpretação retrógrada da lei islâmica. 

Lusa

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07

    Mundo

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas chegou este sábado a acordo sobre o cessar-fogo na Síria, depois de três dias de intensas negociações para evitar o veto da Rússia. As tréguas vão durar 30 dias e permitir a entrada de ajuda humanitária em Ghouta Oriental, a região mais atingida pela guerra na Síria, nesta altura. Em apenas sete dias, os bombardeamentos do regime fizeram mais de 500 mortos.

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35