sicnot

Perfil

Mundo

Mulheres longe de alcançarem igualdade em posições de liderança

Três mulheres com projeção internacional -- Hillary Clinton, Melinda Gates e Chelsea Clinton -- divulgaram hoje um relatório que mostra que as mulheres ainda estão longe de conquistarem igualdade com os homens em posições de liderança.

Reuters

O relatório, intitulado "No Ceilings" ("Sem Limites", em tradução livre), figura como uma revisão do progresso alcançado desde a conferência de Pequim de 1995, que delineou uma plataforma de ação com vista à igualdade de género.

Nesse encontro, a então primeira-dama Hillary Clinton declarou: "Que os direitos humanos sejam os direitos das mulheres e que os direitos das mulheres sejam os direitos humanos, de uma vez por todas".

Contudo, 20 anos depois, as mulheres ainda são, "em grande medida, uma minoria" no que diz respeito a cargos políticos, representando menos de 30% do total dos deputados de todo o mundo, diz o documento.

Cerca de um quinto dos ministros da América Latina e de África são mulheres, mas elas tendem a tutelar pastas como a da Saúde, Educação ou Segurança Social, ficando de fora dos ministérios da Defesa ou Finanças.

As mulheres que lideram as pastas das Finanças ou da Economia são apenas 24 num total de 189 países analisados no relatório.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, observou que cinco países têm ainda parlamentos constituídos unicamente por homens, sendo que oito não têm uma única mulher no seu elenco governativo.

O relatório foi divulgado no início da conferência, de 12 dias, sobre as mulheres da ONU, que vai focar-se no poder político das mulheres e na sua influência no processo de tomada de decisões no campo económico.

Na frente dos negócios, o relatório destaca que as mulheres que desempenham o cargo de CEO representam 5% nas 500 empresas de topo da Fortune, quando em 1995 nem sequer existiam.

As mulheres estão de forma crescente a tomar assentos em conselhos de administração, com a sua quota a variar entre 8% em Portugal e 36% na Noruega, mas isto continua a longe da paridade.

Clinton, apontada como potencial candidata democrata às presidenciais, vai participar na conferência da ONU esta terça-feira.

Não obstante a fraca representação política e económica, as mulheres fizeram progressos na saúde e na educação, superando os homens nas universidades.

O relatório "Sem Limites, Total Participação" é um projeto de um ano que juntou as fundações Clinton e Gates, a Economist Intelligence Unit, bem como o World Policy Center da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.