sicnot

Perfil

Mundo

Putin condecora principal suspeito do assassínio de Litvinenko

O Presidente russo, Vladimir Putin, condecorou hoje com a medalha "Pelos Serviços à Pátria" o deputado Andrei Lugovoi, que é o principal suspeito do assassínio por envenenamento do ex-espião Alexander Litvinenko.

© RIA Novosti / Reuters

Lugovoi, também um ex-agente secreto, convertido posteriormente em deputado e vice-presidente da comissão de Segurança e Anticorrupção da Duma (câmara baixa), foi distinguido pela sua "grande contribuição para o desenvolvimento do parlamentarismo russo e atividade legislativa", conforme o texto do decreto de Putin, divulgado pelo Kremlin.

 Litvinenko, conhecido pelas suas críticas ferozes a Putin, que vivia exilado na capital britânica, faleceu em 23 de novembro de 2006, no hospital University College de Londres, envenenado com a substância polónio 210.

 Este ex-agente dos serviços de informações russos adoecera de forma repentina umas semanas antes, em 10 de novembro, no dia em que se encontrou com Lugovoi e outro russo, Dmitri Kovtun, no hotel Millennium, em Londres, onde bebeu chá.

 Litvinenko tinha fugido da Federação Russa e pedido asilo político em Londres por causa da "incessante perseguição dos serviços secretos russos".

 No Reino Unido continuou as suas críticas e em 2002 foi o primeiro a acusar os serviços secretos russos de terem feito explodir blocos habitacionais em Moscovo, em 1999, ato terrorista que foi atribuído pelo Kremlin a terroristas chechenos.

 Em carta divulgada postumamente, Litvinenko garantiu que o Kremlin esteve por trás do seu assassínio por ter responsabilizado os serviços secretos russos por estas explosões em Moscovo.

 O presidente russo também condecorou o líder checheno, Ramzan Kadirov, com a Ordem de Honra, "pelos seus êxitos no trabalho, pela sua atividade social e pelos seus muitos anos de serviço honesto para o bem do Estado".

 O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou que se trata de uma coincidência Kadirov er sido condecorado no dia seguinte ao da detenção de cinco suspeitos do assassínio do opositor Boris Nemtsov, todos eles chechenos.

 "Os documentos das condecorações são preparados com muitos meses de antecipação", garantiu.

 

Lusa

  • Sociedade das Nações

    Marina Litvinenko, viúva do antigo agente do KGB, envenenado em Londres em Novembro de 2006, diz que não tem havido "cooperação na investigação policial" entre a Rússia e o Reino Unido. A convidada do Sociedade das Nações não compreende que Moscovo recuse a extradição de Andrei Lugovoi, o principal suspeito do crime, porque na sua opinião não se trata "apenas de um homicídio, mas de um ataque terrorista".

  • Sociedade das Nações

    Alexander Litvinenko, antigo espião russo, morreu num hospital londrino a 23 de Novembro de 2006, envenenado com polónio 210. Em Maio de 2007, Londres acusou formalmente Andrei Lugovoi pelo assassinato do antigo agente do ex-KGB e pediu a sua extradição. Contudo, a Rússia recusou e as relações diplomáticas entre Londres e Moscovo deterioraram-se.

  • CGD terá de reconhecer imparidades e prepara saída de 2 mil funcionários
    2:45

    Caso CGD

    O novo plano estratégico da Caixa está pronto e foi entregue há duas semanas ao Ministério das Finanças. A SIC sabe que está a ser preparada a saída de 2 mil trabalhadores e que o banco terá de reconhecer imparidades. O Expresso diz que a CGD vai fechar o ano com prejuízos que podem chegar aos 3 mil milhões de euros.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.