sicnot

Perfil

Mundo

Putin condecora principal suspeito do assassínio de Litvinenko

O Presidente russo, Vladimir Putin, condecorou hoje com a medalha "Pelos Serviços à Pátria" o deputado Andrei Lugovoi, que é o principal suspeito do assassínio por envenenamento do ex-espião Alexander Litvinenko.

© RIA Novosti / Reuters

Lugovoi, também um ex-agente secreto, convertido posteriormente em deputado e vice-presidente da comissão de Segurança e Anticorrupção da Duma (câmara baixa), foi distinguido pela sua "grande contribuição para o desenvolvimento do parlamentarismo russo e atividade legislativa", conforme o texto do decreto de Putin, divulgado pelo Kremlin.

 Litvinenko, conhecido pelas suas críticas ferozes a Putin, que vivia exilado na capital britânica, faleceu em 23 de novembro de 2006, no hospital University College de Londres, envenenado com a substância polónio 210.

 Este ex-agente dos serviços de informações russos adoecera de forma repentina umas semanas antes, em 10 de novembro, no dia em que se encontrou com Lugovoi e outro russo, Dmitri Kovtun, no hotel Millennium, em Londres, onde bebeu chá.

 Litvinenko tinha fugido da Federação Russa e pedido asilo político em Londres por causa da "incessante perseguição dos serviços secretos russos".

 No Reino Unido continuou as suas críticas e em 2002 foi o primeiro a acusar os serviços secretos russos de terem feito explodir blocos habitacionais em Moscovo, em 1999, ato terrorista que foi atribuído pelo Kremlin a terroristas chechenos.

 Em carta divulgada postumamente, Litvinenko garantiu que o Kremlin esteve por trás do seu assassínio por ter responsabilizado os serviços secretos russos por estas explosões em Moscovo.

 O presidente russo também condecorou o líder checheno, Ramzan Kadirov, com a Ordem de Honra, "pelos seus êxitos no trabalho, pela sua atividade social e pelos seus muitos anos de serviço honesto para o bem do Estado".

 O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou que se trata de uma coincidência Kadirov er sido condecorado no dia seguinte ao da detenção de cinco suspeitos do assassínio do opositor Boris Nemtsov, todos eles chechenos.

 "Os documentos das condecorações são preparados com muitos meses de antecipação", garantiu.

 

Lusa

  • Sociedade das Nações

    Marina Litvinenko, viúva do antigo agente do KGB, envenenado em Londres em Novembro de 2006, diz que não tem havido "cooperação na investigação policial" entre a Rússia e o Reino Unido. A convidada do Sociedade das Nações não compreende que Moscovo recuse a extradição de Andrei Lugovoi, o principal suspeito do crime, porque na sua opinião não se trata "apenas de um homicídio, mas de um ataque terrorista".

  • Sociedade das Nações

    Alexander Litvinenko, antigo espião russo, morreu num hospital londrino a 23 de Novembro de 2006, envenenado com polónio 210. Em Maio de 2007, Londres acusou formalmente Andrei Lugovoi pelo assassinato do antigo agente do ex-KGB e pediu a sua extradição. Contudo, a Rússia recusou e as relações diplomáticas entre Londres e Moscovo deterioraram-se.

  • Isto não é não jornalismo. Por Ricardo Costa

    Opinião

    Uma das decisões mais banais e corriqueiras do jornalismo assenta nas escolhas que se fazem no dia a dia. Que temas se abordam, que destaque se dá a este ou aquele assunto, que ângulos de abordagem se usam. São opções condicionadas por uma série de fatores - que vão do interesse e da novidade até questões tão básicas como o haver ou não jornalistas com tempo, meios e conhecimentos para o fazerem -, que estão e estarão na base de qualquer dia de trabalho numa redação.

    Ricardo Costa

  • Bruxelas multa Altice em 125 M€ devido à compra da PT

    Economia

    Os Serviços da Concorrência da Comissão Europeia decidiram multar a Altice em 125 milhões de euros no âmbito da compra da PT Portugal. Bruxelas avançou com a multa à Altice por ter começado a gerir a PT antes do negócio ter sido aprovado pela Comissão Europeia.

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.