sicnot

Perfil

Mundo

Centenas de pessoas pedem justiça na despedida de Gilles Cistac em Maputo

Centenas de pessoas, maioritariamente da comunidade académica de Maputo, despediram-se hoje do constitucionalista moçambicano de origem francesa, Gilles Cistac, assassinado há uma semana, com várias intervenções clamando pela responsabilização criminal dos autores do homicídio. 

Centenas de pessoas, maioritariamente da comunidade académica de Maputo, despediram-se hoje do constitucionalista moçambicano, Gilles Cistac, assassinado há uma semana.

Centenas de pessoas, maioritariamente da comunidade académica de Maputo, despediram-se hoje do constitucionalista moçambicano, Gilles Cistac, assassinado há uma semana.

Ant\303\263nio Silva

Durante o velório, realizado no Centro Cultural da Universidade Eduardo Mondlane, familiares, incluindo os pais que vieram de propósito de França para a cerimónia, magistrados, docentes universitários, advogados e estudantes foram prestar a sua última homenagem ao "Professor", como era afetuosamente tratado o académico.

A cerimónia, para a qual alguns presentes trajaram 't-shirts' com a inscrição "Je suis Cistac" ou "Cistac vive" sobre a foto do constitucionalista, também estiveram presentes destacados representantes de organizações da sociedade civil e dirigentes dos partidos políticos da oposição, incluindo o líder do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro maior partido moçambicano, Daviz Simango.

Como em todas as manifestações públicas de repúdio pela morte do académico, notou-se a ausência no velório da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), partido no poder.

Num discurso lido por um representante da família, o pai do constitucionalista, Jacques Cistac manifestou "desgosto e ódio" pela morte do filho, realçando que o académico se bateu pela justiça.

"O meu filho era obstinado, íntegro e tenaz. Dedicou-se à vida, ao Direito e à Justiça. Será que estas palavras têm sentido, valeram o preço da sua vida", questionou Jacques Cistac, expressando "desgosto e ódio" pela morte.

Por seu turno, o bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Tomás Timbane, disse que o Direito moçambicano ficou mais pobre com a morte de Gilles Cistac, exigindo a responsabilização criminal dos autores do homicídio.

"Até quando o Estado tolerará a intolerância pela livre expressão de pensamento", questionou Tomás Timbane, para quem "não é razoável pensar-se que Cistac não morreu pelo exercício da sua liberdade de expressão".

Alda Salomão, que falou no velório em nome das organizações da sociedade civil, afirmou que a morte de Gilles Cistac é uma forma de silenciar o livre pensamento e a liberdade de expressão em Moçambique.

"Os que estão contra a liberdade encontraram no terror das armas uma forma de tentarem silenciar os moçambicanos livres. Exigimos o máximo de integridade e celeridade nas investigações, para que este crime não acabe como outros que ficaram sem esclarecimento", afirmou Alda Salomão.

Gilles Cistac, conhecido por defender teses jurídicas muitas vezes desfavoráveis à Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), partido no poder, foi assassinado a tiro na terça-feira da semana passada por desconhecidos, à saída de um café no centro de Maputo.

Na semana anterior ao assassínio, o académico anunciara que ia apresentar uma queixa contra um homem que se identificava na rede social Facebook pelo pseudónimo de Calado Kalashnikov e que acusou Cistac de ser um espião francês e de ter obtido a nacionalidade moçambicana de forma fraudulenta.

O funeral de Gilles Cistac vai realizar-se na próxima quinta-feira na sua terra natal, Toulouse, em França.


Lusa
  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.