sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 37 países são dependentes do exterior para a sua alimentação

Pelo menos 37 países, incluindo 29 Estados africanos, necessitam de ajuda externa para a alimentação dos seus cidadãos, e em particular pela persistente instabilidade que continua a afetar a produção agrícola, refere um estudo hoje divulgado pela FAO. 

Reuters

Apesar da insegurança alimentar que afeta a maioria da África subsaariana, considera-se que a produção de alimentos no continente aumentou 6% em 2014 relativamente ao ano anterior, devido aos progressos registados nas zonas oeste e sul. 

As colheitas mais pobres em África situam-se nos países do Sahel, excluindo o Mali, devido às más condições climáticas, enquanto a produção cresceu em países costeiros como a Nigéria, indica o último relatório trimestral da Organização para a alimentação e a agricultura (FAO) das Nações Unidas, intitulado "Perspetivas de cultivos e situação da alimentação". 

No centro do continente africano, as chuvas irregulares afetaram as colheitas em diversos países, incluindo a República Centro Africana, onde a instabilidade política e o aumento da insegurança também tiveram uma influência negativa nos cultivos, à exceção da iúca, cuja produção aumentou. 

No caso dos países mais afetados pelo vírus do Ébola (Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa), existem 1,5 milhões de pessoas em situação de crise humanitária e o setor agrícola ressentiu-se devido ao encerramento de mercados, bloqueio de estradas e paralisia do comércio transfronteiriço. 

Para 2015 a FAO considera que a produção no sul de África permanecerá "incerta", quando se aguardam chuvas irregulares e as inundações vão continuar a afetar países como Madagáscar, Malaui e Moçambique, que associadas aos períodos de seca deverão dificultar as colheitas. 

O Iraque e a Síria, devido aos conflitos armados que atravessam, também são países que enfrentam uma crise alimentar devido à escassez de víveres e da produção agrícola, à semelhança do que sucede com a Coreia do Norte, Iémen e Afeganistão. 

Os outros países que enfrentam uma situação idêntica, concentrados na região do Caribe, são El Salvador, Haiti e Honduras, onde as secas comprometeram a produção de milho e cereais, adianta o estudo.

 
Lusa
  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31