sicnot

Perfil

Mundo

Sarah Brightman paga 48 milhões para cantar na Estação Espacial Internacional

A cantora britânica Sarah Brightman revelou hoje estar a trabalhar com o segundo ex-marido, o compositor Andrew Lloyd Webber, para atuar a partir da Estação Espacial Internacional, tendo pago 48 milhões de euros pela experiência.

© Toby Melville / Reuters

A cantora de "O Fantasma da Ópera" quer levar a sua reputação de atingir as notas altas a um nível sem precedentes, ao tornar-se a primeira soprano a cantar a bordo da Estação Espacial Internacional.

Durante uma conferência de imprensa no West End londrino, bairro onde fica o teatro em que a sua carreira arrancou, com a peça "Cats", Brightman descreveu os desafios de cantar a 400 quilómetros da Terra.

"Cantar em microgravidade é muito diferente de cantar aqui, [onde] usamos a Terra para nos manter firmes quando atuamos", explicou Sarah Brightman, que, curiosamente, entrou no Top 10 britânico em 1978 com o tema "I Lost My Heart To A Starship Trooper".

A soprano, de 54 anos, procura "uma canção que encaixe na ideia de espaço" e que "não seja muito complicada de cantar" e está a tentar "contactar um coro, ou crianças, ou outro cantor" para uma atuação ao vivo.

Brightman admitiu que a sua experiência, a primeira viagem espacial turística desde 2009, parecia "irrealista e louca", estando a preparar-se - aprendendo russo e desenvolvendo capacidades de sobrevivência - para passar 10 dias no espaço, a contar de 01 de setembro, quando partirá do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, num voo organizado pela empresa norte-americana Space Adventures.

Os treinos para esta aventura tiveram início em janeiro no centro cosmonauta Gagarin, em Star City, perto de Moscovo, onde a soprano já passou os testes físicos e psicológicos.


Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.