sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional denuncia aumento "sem precedentes" das execuções na Arábia Saudita

A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje o aumento "sem precedentes" do número de pessoas executadas na Arábia Saudita, indicando que desde o início de 2015 foram realizadas 44 execuções.

Este número quadruplica os valores registados no mesmo período de 2014, segundo informou a AI, num comunicado. 

"Este aumento sem precedentes das execuções constitui uma corrida arrepiante para preencher a última vaga para um país que já consta entre os mais prolíficos executores do planeta", disse o subdiretor da AI para o Médio Oriente e norte de África, Said Bumeduha. 

O representante da organização não-governamental de defesa dos direitos humanos advertiu ainda que se este nível de execuções prosseguir, a Arábia Saudita vai superar as suas próprias estatísticas, e ainda se vai distanciar da grande maioria de países que rejeita a prática da pena de morte.

Este número total de execuções (44) já inclui três homens -- um saudita, um iemenita e um sírio -, que morreram hoje de manhã após terem sido considerados culpados de tráfico de droga.

"O facto de quase metade das execuções realizadas este ano estarem relacionadas com delitos de droga contradiz as afirmações da Arábia Saudita diante do Conselho de Direitos Humanos da ONU", disse Bumeduha, recordando que o reino saudita afirmou que a pena de morte só era aplicada em casos de crimes graves e "sancionados pela lei islâmica ('sharia')".

Ainda diante do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, as autoridades sauditas sublinharam que as execuções só eram realizadas após julgamentos justos.

Desde 2011, o reino saudita realiza cerca de 80 execuções por ano. Em 2014, segundo uma contagem da agência France Presse recentemente divulgada, foram 87.

Os crimes de homicídio, tráfico de droga, violação, homossexualidade, bruxaria, apostasia e assalto à mão armada são puníveis com a pena de morte na Arábia Saudita, país ultraconservador que aplica uma versão rígida da 'sharia'.

As autoridades sustentam que a pena de morte permite "manter a segurança e realizar a justiça", mas as organizações de direitos humanos manifestam fortes dúvidas quanto à imparcialidade da justiça saudita.

Com Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.