sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional denuncia aumento "sem precedentes" das execuções na Arábia Saudita

A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje o aumento "sem precedentes" do número de pessoas executadas na Arábia Saudita, indicando que desde o início de 2015 foram realizadas 44 execuções.

Este número quadruplica os valores registados no mesmo período de 2014, segundo informou a AI, num comunicado. 

"Este aumento sem precedentes das execuções constitui uma corrida arrepiante para preencher a última vaga para um país que já consta entre os mais prolíficos executores do planeta", disse o subdiretor da AI para o Médio Oriente e norte de África, Said Bumeduha. 

O representante da organização não-governamental de defesa dos direitos humanos advertiu ainda que se este nível de execuções prosseguir, a Arábia Saudita vai superar as suas próprias estatísticas, e ainda se vai distanciar da grande maioria de países que rejeita a prática da pena de morte.

Este número total de execuções (44) já inclui três homens -- um saudita, um iemenita e um sírio -, que morreram hoje de manhã após terem sido considerados culpados de tráfico de droga.

"O facto de quase metade das execuções realizadas este ano estarem relacionadas com delitos de droga contradiz as afirmações da Arábia Saudita diante do Conselho de Direitos Humanos da ONU", disse Bumeduha, recordando que o reino saudita afirmou que a pena de morte só era aplicada em casos de crimes graves e "sancionados pela lei islâmica ('sharia')".

Ainda diante do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, as autoridades sauditas sublinharam que as execuções só eram realizadas após julgamentos justos.

Desde 2011, o reino saudita realiza cerca de 80 execuções por ano. Em 2014, segundo uma contagem da agência France Presse recentemente divulgada, foram 87.

Os crimes de homicídio, tráfico de droga, violação, homossexualidade, bruxaria, apostasia e assalto à mão armada são puníveis com a pena de morte na Arábia Saudita, país ultraconservador que aplica uma versão rígida da 'sharia'.

As autoridades sustentam que a pena de morte permite "manter a segurança e realizar a justiça", mas as organizações de direitos humanos manifestam fortes dúvidas quanto à imparcialidade da justiça saudita.

Com Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.