sicnot

Perfil

Mundo

Ativista de direitos humanos condenado a dez anos de prisão na Arábia Saudita

Um membro fundador de uma das raras associações de defesa dos direitos humanos na Arábia Saudita foi condenado a dez anos de prisão, revelou hoje uma organização regional.

Mohammed al-Bajadi, membro fundador de uma das raras associações de defesa dos direitos humanos na Arábia Saudita, condenado a dez anos de prisão.

Mohammed al-Bajadi, membro fundador de uma das raras associações de defesa dos direitos humanos na Arábia Saudita, condenado a dez anos de prisão.

gc4hr.org

A sentença de Mohammed al-Bajadi foi proferida na passada quinta-feira, dia 05 março, em Riade, por um "tribunal criminal especializado", cujas competências incluem terrorismo, detalhou o Centro para os Direitos Humanos do Golfo (GCHR), que tem escritórios em Beirute e em Copenhaga.

Mohammed al-Bajadi é um dos fundadores da Associação para os Direitos Civis e Políticos (ACPRA) na Arábia Saudita, reino muçulmano ultraconservador onde qualquer tipo de dissidência é severamente reprimido.

O tribunal decretou uma pena de dez anos de prisão -- dos quais cinco efetivos --, indicou o GCHR, precisando que o ativista foi julgado "sem aviso prévio" e sem poder contactar os seus advogados.

Bajadi, com cerca de 30 anos, foi acusado nomeadamente de ter adquirido livros proibidos, de organizar uma manifestação de familiares de detidos e de difundir documentos suscetíveis de "perturbar a ordem pública", explicou a mesma organização.

  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.