sicnot

Perfil

Mundo

Chineses constroem arranha-céus de 57 andares em 19 dias

A construtora chinesa Broad Sustainable Building, especializada em edifícios pré-fabricados, conseguiu construir um arranha-céus de 57 andares em apenas 19 dias na cidade de Changsha, no centro do país, informou a empresa no seu portal oficial na Internet.

Neste vídeo, disponível no YouTube, a empresa, com sede na mesma cidade, mostra em quatro minutos como se desenvolveu a construção, com os operários a montarem três andares por dia.



O edifício, de 186.000 metros quadrados, com capacidade para 800 apartamentos, é o mais alto que a empresa conseguiu edificar até ao momento.


Em 2010, a Broad Sustainable Building erigiu um hotel de 15 andares em 48 dias e no ano seguinte conseguiu aquela que era a sua maior conquista até agora: outro hotel, de 30 pisos, que construiu em 15 dias.


Zhang Xianmin, um dos arquitetos da empresa, salientou o método usado: a construção em módulos. Além de mais rápida, é mais sustentável face às técnicas tradicionais, já que reduz o uso de cimento.   


Broad Sustainable Building é a empresa que propôs construir, também na cidade de Changsha, o projeto "Sky City", que pretende ser o arranha-céus mais alto do mundo, com 220 pisos.


Contudo, esse projeto está atualmente paralisado devido a problemas relacionados com a aprovação oficial e dúvidas sobre a viabilidade económica ou a segurança do edifício.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão