sicnot

Perfil

Mundo

Japão assinala quarto aniversário do sismo e tsunami que fez 18 mil mortos

 O Japão prepara-se para assinalar hoje o quarto aniversário do sismo seguido de tsunami que deixou mais de 18 mil mortos e desaparecidos e desencadeou a crise nuclear de Fukushima.

© Toru Hanai / Reuters

Durante o dia terão lugar, em todo o país, cerimónias de homenagem às vítimas. À semelhança de anos anteriores, também será cumprido um minuto de silêncio às 14:46 locais (05:46 em Lisboa), hora em que ocorreu o tremor de terra de magnitude 9 na escala de Richter, que arrasou o nordeste do Japão.

O tsunami que se seguiu, minutos depois, deixou 15.891 mortos e 2.584 desaparecidos, a grande maioria nas três prefeituras mais afetadas (Fukushima, Miyagi e Iwate), segundo dados publicados esta semana pela Agência Nacional da Polícia do Japão.

Em Tóquio, realizar-se-á uma cerimónia oficial que contará com a presença do primeiro-ministro, Shinzo Abe, do imperador Akihito e de familiares das vítimas da tragédia de 11 de março de 2011.

Quatro anos depois da catástrofe, mais de 228.000 pessoas retiradas não puderam regressar às suas casas, devido aos destroços ou pelo risco da radiação emitida central nuclear de Fukushima Daiichi -- que ficou gravemente danificada pelo desastre natural -- e mais de 80.000 vivem ainda em prefabricados.

O acidente afetou seriamente a agricultura, pecuária e pescas e impede ainda hoje que cerca de 68.000 que viviam junto à central possam voltar.

Devido à catástrofe -- que desencadeou a pior crise nuclear desde Chernobil (Ucrânia) em 1986 --, o Japão mantém a atividade dos seus 48 reatores paralisada, apesar de o Governo ter vindo a impulsionar a reativação daqueles que cumpram os novos requisitos de segurança exigidos pela Autoridade de Regulação Nuclear japonesa(NRA, na sigla em inglês).

Assim, e não obstante a forte oposição dos japoneses, manifestada em sondagens, espera-se que duas centrais -- uma no sul e outra no oeste do país -- voltem a operar ainda este ano após terem recebido a aprovação por parte do regulador.



DM // DM.

Lusa/fim

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.