sicnot

Perfil

Mundo

Japão assinala quarto aniversário do sismo e tsunami que fez 18 mil mortos

 O Japão prepara-se para assinalar hoje o quarto aniversário do sismo seguido de tsunami que deixou mais de 18 mil mortos e desaparecidos e desencadeou a crise nuclear de Fukushima.

© Toru Hanai / Reuters

Durante o dia terão lugar, em todo o país, cerimónias de homenagem às vítimas. À semelhança de anos anteriores, também será cumprido um minuto de silêncio às 14:46 locais (05:46 em Lisboa), hora em que ocorreu o tremor de terra de magnitude 9 na escala de Richter, que arrasou o nordeste do Japão.

O tsunami que se seguiu, minutos depois, deixou 15.891 mortos e 2.584 desaparecidos, a grande maioria nas três prefeituras mais afetadas (Fukushima, Miyagi e Iwate), segundo dados publicados esta semana pela Agência Nacional da Polícia do Japão.

Em Tóquio, realizar-se-á uma cerimónia oficial que contará com a presença do primeiro-ministro, Shinzo Abe, do imperador Akihito e de familiares das vítimas da tragédia de 11 de março de 2011.

Quatro anos depois da catástrofe, mais de 228.000 pessoas retiradas não puderam regressar às suas casas, devido aos destroços ou pelo risco da radiação emitida central nuclear de Fukushima Daiichi -- que ficou gravemente danificada pelo desastre natural -- e mais de 80.000 vivem ainda em prefabricados.

O acidente afetou seriamente a agricultura, pecuária e pescas e impede ainda hoje que cerca de 68.000 que viviam junto à central possam voltar.

Devido à catástrofe -- que desencadeou a pior crise nuclear desde Chernobil (Ucrânia) em 1986 --, o Japão mantém a atividade dos seus 48 reatores paralisada, apesar de o Governo ter vindo a impulsionar a reativação daqueles que cumpram os novos requisitos de segurança exigidos pela Autoridade de Regulação Nuclear japonesa(NRA, na sigla em inglês).

Assim, e não obstante a forte oposição dos japoneses, manifestada em sondagens, espera-se que duas centrais -- uma no sul e outra no oeste do país -- voltem a operar ainda este ano após terem recebido a aprovação por parte do regulador.



DM // DM.

Lusa/fim

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.

  • Brasil já tirou o "pé do chão"
    1:59

    Mundo

    Já começaram os desfiles e festas de carnaval, no Rio de Janeiro.Esta sexta feira foi o início oficial das celebrações com centenas de milhar de pessoas nas ruas até de madrugada.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Atores de Hollywood contra Trump
    1:44

    Mundo

    Centenas de pessoas juntaram-se em mais um protesto contra o presidente dos Estados Unidos. A manifestação, em Beverly Hills, juntou várias estrelas de Hollywood.