sicnot

Perfil

Mundo

Japão assinala quarto aniversário do sismo e tsunami que fez 18 mil mortos

 O Japão prepara-se para assinalar hoje o quarto aniversário do sismo seguido de tsunami que deixou mais de 18 mil mortos e desaparecidos e desencadeou a crise nuclear de Fukushima.

© Toru Hanai / Reuters

Durante o dia terão lugar, em todo o país, cerimónias de homenagem às vítimas. À semelhança de anos anteriores, também será cumprido um minuto de silêncio às 14:46 locais (05:46 em Lisboa), hora em que ocorreu o tremor de terra de magnitude 9 na escala de Richter, que arrasou o nordeste do Japão.

O tsunami que se seguiu, minutos depois, deixou 15.891 mortos e 2.584 desaparecidos, a grande maioria nas três prefeituras mais afetadas (Fukushima, Miyagi e Iwate), segundo dados publicados esta semana pela Agência Nacional da Polícia do Japão.

Em Tóquio, realizar-se-á uma cerimónia oficial que contará com a presença do primeiro-ministro, Shinzo Abe, do imperador Akihito e de familiares das vítimas da tragédia de 11 de março de 2011.

Quatro anos depois da catástrofe, mais de 228.000 pessoas retiradas não puderam regressar às suas casas, devido aos destroços ou pelo risco da radiação emitida central nuclear de Fukushima Daiichi -- que ficou gravemente danificada pelo desastre natural -- e mais de 80.000 vivem ainda em prefabricados.

O acidente afetou seriamente a agricultura, pecuária e pescas e impede ainda hoje que cerca de 68.000 que viviam junto à central possam voltar.

Devido à catástrofe -- que desencadeou a pior crise nuclear desde Chernobil (Ucrânia) em 1986 --, o Japão mantém a atividade dos seus 48 reatores paralisada, apesar de o Governo ter vindo a impulsionar a reativação daqueles que cumpram os novos requisitos de segurança exigidos pela Autoridade de Regulação Nuclear japonesa(NRA, na sigla em inglês).

Assim, e não obstante a forte oposição dos japoneses, manifestada em sondagens, espera-se que duas centrais -- uma no sul e outra no oeste do país -- voltem a operar ainda este ano após terem recebido a aprovação por parte do regulador.



DM // DM.

Lusa/fim

  • Santana diz que Marcelo por vezes faz de conta que é primeiro-ministro
    1:12

    País

    Santana Lopes diz que a expectativa que Passos Coelho criou sobre o mau desempenho do Governo se está a virar-se contra ele. Numa entrevista ao jornal Expresso deste sábado, o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera contudo que Passos Coelho ainda poderá ganhar as próximas eleições. Sobre Marcelo, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que por vezes faz de conta que é o primeiro-ministro.

  • Coala do Zoo de Duisburg viaja para Lisboa 

    País

    A SIC acompanhou, em exclusivo, a transferência de uma coala do Zoo de Duisburg, na Alemanha, para o Jardim Zoológico de Lisboa. O animal foi transportado pela TAP e batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Uma reportagem para ver mais logo no Jornal da Noite da SIC.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.