sicnot

Perfil

Mundo

John Kerry pressiona Congresso a autorizar uso da força contra Estado Islâmico

 O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pressionou hoje o Congresso para autorizar formalmente o presidente Barack Obama a dirigir uma guerra contra o grupo radical Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria.

© Kevin Lamarque / Reuters

"A resolução que apresentámos (ao Congresso) daria ao presidente um mandato claro para conduzir um conflito armado contra o EI e os indivíduos ou forças filiados", declarou Kerry perante a Comissão dos Negócios Estrangeiros do Senado, ao lado do novo responsável do Pentágono, Ashton Carter, e do mais alto graduado norte-americano, o general Martin Dempsey.

O chefe da diplomacia norte-americana pediu aos parlamentares "os meios para que a América e os seus representantes falem com uma só e forte voz, numa altura em que o EI perde força e mostra sinais de fragmentação".

"O presidente dispõe da autoridade legal para agir contra o EI, mas a expressão formal e clara do vosso apoio dissiparia as dúvidas sobre o facto de os americanos estarem unidos neste esforço", disse.

O secretário de Estado lembrou que "a administração não vê necessidade de envolver forças americanas nas operações ofensivas terrestres de longa duração contra o EI" e que "a resolução não contém qualquer limitação geográfica".

O Congresso e a administração dos Estados Unidos analisam um texto que o presidente Obama apresentou a 11 de fevereiro para uma autorização formal à realização de uma guerra contra o EI, durante três anos e sem intervenção terrestre de longa duração. 

O presidente, comandante supremo das forças armadas, não esperou a "luz verde" do Congresso para começar a guerra contra os 'jihadistas', que são bombardeados por aviões norte-americanos desde 08 de agosto no Iraque e desde 23 de setembro na Síria. Perto de 2.000 militares estão a ajudar as forças iraquianas.

Há seis meses que numerosos eleitos, democratas e republicanos, contestam uma guerra ilegal e exortam o Congresso a assumir o seu papel constitucional de declarar as guerras.

A última declaração de guerra formal data da Segunda Guerra Mundial, mas o Congresso norte-americano já autorizou o uso da força em várias ocasiões, como no Líbano (1983), no Iraque (1991 e 2002) e contra a Al-Qaida (2001).


Lusa
  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.