sicnot

Perfil

Mundo

John Kerry pressiona Congresso a autorizar uso da força contra Estado Islâmico

 O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pressionou hoje o Congresso para autorizar formalmente o presidente Barack Obama a dirigir uma guerra contra o grupo radical Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria.

© Kevin Lamarque / Reuters

"A resolução que apresentámos (ao Congresso) daria ao presidente um mandato claro para conduzir um conflito armado contra o EI e os indivíduos ou forças filiados", declarou Kerry perante a Comissão dos Negócios Estrangeiros do Senado, ao lado do novo responsável do Pentágono, Ashton Carter, e do mais alto graduado norte-americano, o general Martin Dempsey.

O chefe da diplomacia norte-americana pediu aos parlamentares "os meios para que a América e os seus representantes falem com uma só e forte voz, numa altura em que o EI perde força e mostra sinais de fragmentação".

"O presidente dispõe da autoridade legal para agir contra o EI, mas a expressão formal e clara do vosso apoio dissiparia as dúvidas sobre o facto de os americanos estarem unidos neste esforço", disse.

O secretário de Estado lembrou que "a administração não vê necessidade de envolver forças americanas nas operações ofensivas terrestres de longa duração contra o EI" e que "a resolução não contém qualquer limitação geográfica".

O Congresso e a administração dos Estados Unidos analisam um texto que o presidente Obama apresentou a 11 de fevereiro para uma autorização formal à realização de uma guerra contra o EI, durante três anos e sem intervenção terrestre de longa duração. 

O presidente, comandante supremo das forças armadas, não esperou a "luz verde" do Congresso para começar a guerra contra os 'jihadistas', que são bombardeados por aviões norte-americanos desde 08 de agosto no Iraque e desde 23 de setembro na Síria. Perto de 2.000 militares estão a ajudar as forças iraquianas.

Há seis meses que numerosos eleitos, democratas e republicanos, contestam uma guerra ilegal e exortam o Congresso a assumir o seu papel constitucional de declarar as guerras.

A última declaração de guerra formal data da Segunda Guerra Mundial, mas o Congresso norte-americano já autorizou o uso da força em várias ocasiões, como no Líbano (1983), no Iraque (1991 e 2002) e contra a Al-Qaida (2001).


Lusa
  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.