sicnot

Perfil

Mundo

John Kerry pressiona Congresso a autorizar uso da força contra Estado Islâmico

 O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pressionou hoje o Congresso para autorizar formalmente o presidente Barack Obama a dirigir uma guerra contra o grupo radical Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria.

© Kevin Lamarque / Reuters

"A resolução que apresentámos (ao Congresso) daria ao presidente um mandato claro para conduzir um conflito armado contra o EI e os indivíduos ou forças filiados", declarou Kerry perante a Comissão dos Negócios Estrangeiros do Senado, ao lado do novo responsável do Pentágono, Ashton Carter, e do mais alto graduado norte-americano, o general Martin Dempsey.

O chefe da diplomacia norte-americana pediu aos parlamentares "os meios para que a América e os seus representantes falem com uma só e forte voz, numa altura em que o EI perde força e mostra sinais de fragmentação".

"O presidente dispõe da autoridade legal para agir contra o EI, mas a expressão formal e clara do vosso apoio dissiparia as dúvidas sobre o facto de os americanos estarem unidos neste esforço", disse.

O secretário de Estado lembrou que "a administração não vê necessidade de envolver forças americanas nas operações ofensivas terrestres de longa duração contra o EI" e que "a resolução não contém qualquer limitação geográfica".

O Congresso e a administração dos Estados Unidos analisam um texto que o presidente Obama apresentou a 11 de fevereiro para uma autorização formal à realização de uma guerra contra o EI, durante três anos e sem intervenção terrestre de longa duração. 

O presidente, comandante supremo das forças armadas, não esperou a "luz verde" do Congresso para começar a guerra contra os 'jihadistas', que são bombardeados por aviões norte-americanos desde 08 de agosto no Iraque e desde 23 de setembro na Síria. Perto de 2.000 militares estão a ajudar as forças iraquianas.

Há seis meses que numerosos eleitos, democratas e republicanos, contestam uma guerra ilegal e exortam o Congresso a assumir o seu papel constitucional de declarar as guerras.

A última declaração de guerra formal data da Segunda Guerra Mundial, mas o Congresso norte-americano já autorizou o uso da força em várias ocasiões, como no Líbano (1983), no Iraque (1991 e 2002) e contra a Al-Qaida (2001).


Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.