sicnot

Perfil

Mundo

John Kerry pressiona Congresso a autorizar uso da força contra Estado Islâmico

 O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pressionou hoje o Congresso para autorizar formalmente o presidente Barack Obama a dirigir uma guerra contra o grupo radical Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria.

© Kevin Lamarque / Reuters

"A resolução que apresentámos (ao Congresso) daria ao presidente um mandato claro para conduzir um conflito armado contra o EI e os indivíduos ou forças filiados", declarou Kerry perante a Comissão dos Negócios Estrangeiros do Senado, ao lado do novo responsável do Pentágono, Ashton Carter, e do mais alto graduado norte-americano, o general Martin Dempsey.

O chefe da diplomacia norte-americana pediu aos parlamentares "os meios para que a América e os seus representantes falem com uma só e forte voz, numa altura em que o EI perde força e mostra sinais de fragmentação".

"O presidente dispõe da autoridade legal para agir contra o EI, mas a expressão formal e clara do vosso apoio dissiparia as dúvidas sobre o facto de os americanos estarem unidos neste esforço", disse.

O secretário de Estado lembrou que "a administração não vê necessidade de envolver forças americanas nas operações ofensivas terrestres de longa duração contra o EI" e que "a resolução não contém qualquer limitação geográfica".

O Congresso e a administração dos Estados Unidos analisam um texto que o presidente Obama apresentou a 11 de fevereiro para uma autorização formal à realização de uma guerra contra o EI, durante três anos e sem intervenção terrestre de longa duração. 

O presidente, comandante supremo das forças armadas, não esperou a "luz verde" do Congresso para começar a guerra contra os 'jihadistas', que são bombardeados por aviões norte-americanos desde 08 de agosto no Iraque e desde 23 de setembro na Síria. Perto de 2.000 militares estão a ajudar as forças iraquianas.

Há seis meses que numerosos eleitos, democratas e republicanos, contestam uma guerra ilegal e exortam o Congresso a assumir o seu papel constitucional de declarar as guerras.

A última declaração de guerra formal data da Segunda Guerra Mundial, mas o Congresso norte-americano já autorizou o uso da força em várias ocasiões, como no Líbano (1983), no Iraque (1991 e 2002) e contra a Al-Qaida (2001).


Lusa
  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC