sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 150 mil assinam petição a acusar senadores norte-americanos de traição

Mais de 155 mil pessoas assinaram até hoje uma petição para a Casa Branca lançar acusações por traição contra os 47 senadores que escreveram aos líderes iranianos sobre as negociações nucleares em curso.

© Jonathan Ernst / Reuters

O grupo de 47 senadores republicanos divulgou, esta segunda-feira, uma carta aberta a Teerão, num gesto incomum, em que adverte que qualquer acordo sobre o programa nuclear que não seja aprovado pelo Congresso dos Estados Unidos irá caducar quando Barack Obama deixar a Casa Branca, em menos de dois anos, porque o próximo presidente norte-americano poderá revogá-lo. 

A Casa Branca tinha afirmado que responderia à petição quando atingisse as 100 mil assinaturas.

A petição proporciona ao Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, mais uma oportunidade de debater a carta dos republicanos, já qualificada de "inflamatória".

Segundo a petição, os 47 senadores "cometeram traição quando decidiram violar o Ato de Logan, uma lei de 1799 que proíbe cidadãos não autorizados de negociarem com governos estrangeiros".

Os peticionários alegam que os senadores, incluindo três potenciais candidatos às presidenciais de 2016, de terem violado a lei ou, no mínimo, a tradição do congresso.

"Essa carta, concebida unicamente para debilitar um presidente no cargo numa altura de negociações internacionais sensíveis, é indigna para uma instituição que eu venero", escreveu, numa extensa missiva, o vice-presidente norte-americano, Joe Biden, que desempenhou funções como senador durante 36 anos.

"Em 36 anos no Senado não me consigo lembrar de outra ocasião em que os deputados escreveram diretamente para sugerir a outro país -- muito menos a um adversário de longa data -- que o presidente não tem autoridade constitucional para alcançar um acordo significativo com ele", disse Biden.

Teerão também criticou a carta dos senadores, considerando-a como uma "manobra de propaganda", "sem qualquer valor legal".

Hoje, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, afirmou que a carta dos senadores republicanos é uma "ameaça à confiança global nos Estados Unidos".

"Pode minar a confiança dos governos estrangeiros em milhares de importantes acordos", afirmou Kerry.

O Irão e representantes do Grupo 5+1 (Estados Unidos, China, França, Reino Unido e Rússia, além da Alemanha) concluíram a semana passada uma nova ronda de negociações para alcançar um acordo sobre o desenvolvimento da tecnologia nuclear iraniana.

O prazo imposto pelos negociadores expira no final de junho, mas ambas as partes comprometeram-se no sentido em que, para o cumprir, deve ser alcançado um acordo-quadro antes do fim deste mês.

O Irão e as grandes potências estão a tentar entender-se quanto a um acordo global que autorize algumas atividades nucleares civis mas impeça Teerão de se dotar da arma atómica, em troca do levantamento das sanções internacionais impostas à sua economia.

O Presidente, Barack Obama, afirmara no domingo, numa entrevista à estação televisiva CBS, que os Estados Unidos abandonariam a mesa das negociações com o Irão se não se pudesse concluir um acordo verificável sobre o seu programa nuclear.

Lusa
  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Marcelo comenta comparação de Centeno a Ronaldo

    País

    O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comentou esta quarta-feira a comparação que o ministro das Finanças alemão terá feito entre Mário Centeno e Ronaldo, considerando que "quem quer que disse isso, por uma vez não pensou mal".