sicnot

Perfil

Mundo

Conflito na Síria fez mais de 210 mil mortos em quatro anos

A guerra civil na Síria fez mais de 210 mil mortos desde 2011, deslocando metade da população e transformando o país em ruínas desde que eclodiu há quatro anos. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Kai Pfaffenbach / Reuters

O conflito iniciou-se a 15 de março de 2011 com uma contestação pacífica, que, face à repressão por parte do regime do Presidente Bashar al-Assad, se transformou numa guerra civil.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que conta com uma ampla rede de ativistas e médicos em todo o país, 210.060 pessoas foram mortas na Síria entre março de 2011 e fevereiro de 2015.

Mais de 30% das vítimas (65.146) eram civis, das quais 10.664 crianças.

Entre os combatentes do regime, 38.325 eram rebeldes sírios, enquanto 24.989 'jihadistas' estrangeiros.

Já do lado dos fiéis a Bashar al-Assad, as vítimas mortais incluíram 45.385 soldados, 29.943 milicianos, 640 membros do movimento libanês xiita Hezbollah e 2.502 milicianos xiitas de outros países.

O OSDH sublinhou que o balanço é provavelmente "muito maior", assinalando ser possível recolher informação em determinadas áreas sob o controlo do regime ou dos 'jihadistas'.

Segundo a mesma organização, 20 mil pessoas desapareceram das prisões da Síria desde o início do conflito, enquanto milhares de outras, entre combatentes e civis, foram feitas reféns por grupos como o autoproclamado Estado Islâmico.

De acordo com dados da ONU, 11,4 milhões de pessoas fugiram das suas casas, entre as quais quase quatro milhões deixaram o país, e perto de 1,2 milhões procuraram refúgio no Líbano, um número que equivale a mais de um terço da população deste país.

Este valor também deverá ser muito mais elevado, dado que há muitos sírios que não estão registados, acrescenta a OSDH, relatando que aproximadamente 625 mil fugiram para a Jordânia, 245 mil para o Iraque e 137 mil para o Egito.

Aquela organização adianta que a Turquia informou ter aceitado cerca de dois milhões de refugiados.

No interior da Síria, 60% da população, estimada em 23 milhões de habitantes, vive na pobreza, segundo dados divulgados pela FAO em setembro passado, enquanto a UNICEF relata que 2,4 milhões de crianças não podem ir à escola por causa da insegurança.

Especialistas dizem que o conflito fez com que a economia da Síria recuasse três décadas, com metade da sua população no desemprego e a maioria das infraestruturas destruídas.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) indicou que o Produto Interno Bruto (PIB) se contraiu em mais de 40% e que a fatura da guerra ascende a cerca de 31 mil milhões de dólares.


Lusa
  • Principais factos da acusação no caso BPN dados como provados

    País

    O coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN interrompeu perto das 13:00 a leitura do acórdão iniciada pelas 10:30. Os principais factos da acusação são dados como provados, mas a leitura deverá demorar algumas horas.

  • Papa pede a Trump para ser pacificador
    1:12
  • Supremo confirma condenação de Messi por fraude fiscal

    Desporto

    O Supremo Tribunal de Justiça espanhol confirma a condenação de Lionel Messi por fraude fiscal. A notícia foi avançada pelo El País. O jogador do Barcelona foi condenado a 21 meses de prisão por três crimes fiscais que lesaram o Estado em 4,1 milhões de euros.

  • Autódromo do Estoril está ilegal há 45 anos

    Desporto

    De acordo com o Público este equipamento desportivo, inaugurado na década de 70, não tem licença de construção nem de utilização. Uma notícia que apanhou de surpresa o executivo camarário de Cascais, liderado por Carlos Carreiras.

  • Seca na Bacia do Sado exige restrições ao uso da água no Alentejo

    País

    A Agência Portuguesa do Ambiente aprovou hoje um conjunto de medidas para gestão dos recursos hídricos, definindo medidas específicas para a bacia hidrográfica do Sado, a única que se encontra em situação de seca. Além da diminuição de regas em hortas e jardins, a APA recomenda o encerramento das fontes decorativas, a proibição de encher piscinas e de lavagem de automóveis.