sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos apelam à demissão do Presidente sírio

Os Estados Unidos apelaram hoje novamente para a demissão do Presidente sírio, Bashar al-Assad, assinalando o quarto aniversário da guerra civil com um tributo aos "corajosos cidadãos sírios" que combatem a tirania.

Presidente da Síria, Bashar al-Assad (Reuters/ Arquivo)

Presidente da Síria, Bashar al-Assad (Reuters/ Arquivo)

© Sana Sana / Reuters

"Há quatro anos que o regime de Assad responde aos apelos de liberdade e reforma dos sírios com implacável brutalidade, autoritarismo e destruição", disse a porta-voz do departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki, à imprensa.

"Como já dissemos repetidas vezes, Assad deve abandonar o poder e ser substituído por meio de uma transição política negociada que represente o povo sírio", frisou.

Enquanto Assad não se demitir, não será possível "estabilizar inteiramente" o país, defendeu Psaki.

"Nesta ocasião triste, recordamos todos aqueles que sofreram e os corajosos cidadãos sírios que combatem a tirania e continuam a lutar por um futuro de respeito pelos direitos fundamentais, tolerância e prosperidade", acrescentou.

Os Estados Unidos lideraram esforços para a realização de negociações de paz em Genebra no ano passado, que reuniram a oposição síria e representantes do Governo. Mas as conversações fracassaram ao fim de duas rondas, entre amargas recriminações e, desde então, não foram agendadas novas negociações.

Até agora, o ano passado foi o mais mortífero de todos os do conflito, com pelo menos 76.000 mortos num total de mais de 210.000 desde que se iniciou, a 15 de março de 2011, com manifestações pacíficas inspiradas pela Primavera Árabe no Egito e na Tunísia.

O Departamento de Estado acolherá na sexta-feira um encontro da diáspora síria com líderes da oposição, entre os quais o ex-primeiro-ministro do Governo interino, Ghassan Hitto.

Por sua vez, o enviado especial dos Estados Unidos à Síria, Daniel Rubinstein, escreveu numa mensagem da rede social Facebook: "O desespero de Assad em agarrar-se ao poder através do terror diariamente infligido recorda-nos a todos de que ele há muito perdeu a legitimidade e deve abrir caminho para uma verdadeira transição política".

"Reconheçamos que o corajoso povo sírio -- e não um ditador ou combatentes estrangeiros -- deve decidir o seu futuro", acrescentou, num 'post' publicado na página da embaixada dos Estados Unidos.

Lusa
  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.