sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos apelam à demissão do Presidente sírio

Os Estados Unidos apelaram hoje novamente para a demissão do Presidente sírio, Bashar al-Assad, assinalando o quarto aniversário da guerra civil com um tributo aos "corajosos cidadãos sírios" que combatem a tirania.

Presidente da Síria, Bashar al-Assad (Reuters/ Arquivo)

Presidente da Síria, Bashar al-Assad (Reuters/ Arquivo)

© Sana Sana / Reuters

"Há quatro anos que o regime de Assad responde aos apelos de liberdade e reforma dos sírios com implacável brutalidade, autoritarismo e destruição", disse a porta-voz do departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki, à imprensa.

"Como já dissemos repetidas vezes, Assad deve abandonar o poder e ser substituído por meio de uma transição política negociada que represente o povo sírio", frisou.

Enquanto Assad não se demitir, não será possível "estabilizar inteiramente" o país, defendeu Psaki.

"Nesta ocasião triste, recordamos todos aqueles que sofreram e os corajosos cidadãos sírios que combatem a tirania e continuam a lutar por um futuro de respeito pelos direitos fundamentais, tolerância e prosperidade", acrescentou.

Os Estados Unidos lideraram esforços para a realização de negociações de paz em Genebra no ano passado, que reuniram a oposição síria e representantes do Governo. Mas as conversações fracassaram ao fim de duas rondas, entre amargas recriminações e, desde então, não foram agendadas novas negociações.

Até agora, o ano passado foi o mais mortífero de todos os do conflito, com pelo menos 76.000 mortos num total de mais de 210.000 desde que se iniciou, a 15 de março de 2011, com manifestações pacíficas inspiradas pela Primavera Árabe no Egito e na Tunísia.

O Departamento de Estado acolherá na sexta-feira um encontro da diáspora síria com líderes da oposição, entre os quais o ex-primeiro-ministro do Governo interino, Ghassan Hitto.

Por sua vez, o enviado especial dos Estados Unidos à Síria, Daniel Rubinstein, escreveu numa mensagem da rede social Facebook: "O desespero de Assad em agarrar-se ao poder através do terror diariamente infligido recorda-nos a todos de que ele há muito perdeu a legitimidade e deve abrir caminho para uma verdadeira transição política".

"Reconheçamos que o corajoso povo sírio -- e não um ditador ou combatentes estrangeiros -- deve decidir o seu futuro", acrescentou, num 'post' publicado na página da embaixada dos Estados Unidos.

Lusa
  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.