sicnot

Perfil

Mundo

PIB da Irlanda aumentou 4,8% em 2014 graças às exportações

O Produto Interno Bruto (PIB) da Irlanda cresceu 4,8% em 2014 graças ao aumento de 10,5% das exportações, informou hoje a agência central de estatística irlandesa (CSO). 

1921 - Tréguas entre a Inglaterra e o Sinn Fein, na Irlanda.

1921 - Tréguas entre a Inglaterra e o Sinn Fein, na Irlanda.

© Kevin Lamarque / Reuters

A análise preliminar de 2014 do Produto Nacional Bruto (PNB), que exclui a produção das multinacionais e que, para muitos, é um indicador económico mais fiável, avançou 5,2%.

Durante o último trimestre de 2014, adianta o comunicado, o PIB só cresceu 0,2% face ao período anterior, enquanto o PNB aumentou 2,3%. 

Além das exportações - motor da economia irlandesa - terem aumentado 10,5%, a procura interna, chave para a criação de emprego, também subiu 3,5% no ano passado. 

A CSO sublinha que todos os setores da economia registaram crescimento, em particular o dos transportes e comunicações (8%). 

A atividade do setor da construção expandiu-se 7%, a da agricultura 10% e a de "outros serviços" 3,4%. 

Os especialistas sustentam que a Irlanda beneficiou no ano passado com o bom andamento das economias dos Estados Unidos e do Reino Unido, tradicionalmente os seus principais sócios comerciais, e com a desvalorização do euro face ao dólar e à libra esterlina. 

Neste contexto, o Banco Central Irlandês (ICB) elevou as previsões para a economia nacional e prevê que o PIB cresça 3,7% em 2015, mais três décimas que o estimado anteriormente. 

Depois de abandonar em dezembro de 2013 o resgate solicitado três anos antes à União Europeia (UE) e o FMI, no valor de 85.000 milhões de euros, o ICB indicou que o atual crescimento da economia irlandesa é "equilibrado", com fortes contribuições das exportações e a procura interna. 

Com Lusa
  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão