sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 13.000 pessoas morreram sob tortura nas prisões do regime Sírio

Perto de 13.000 sírios morreram sob tortura nas prisões do regime de Bashar al-Assad desde o início do conflito no país há quatro anos, revelou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Grupo de mulheres que integra o movimento Sawt al-Haq em Aleppo, Síria

Grupo de mulheres que integra o movimento Sawt al-Haq em Aleppo, Síria

© Muzaffar Salman / Reuters

"O OSDH pode documentar 12.751 prisioneiros mortos sob tortura desde o início da revolta síria, entre os quais 108 crianças", indicou a organização não governamental que dispõe de uma vasta rede de fontes civis, médicas e militares em todo o país.

Segundo o Observatório, além daquelas, contam-se 20.000 pessoas desaparecidas nas prisões do regime, cujo destino se ignora.

"Alguns familiares dos mártires foram obrigados a assinar declarações onde afirmavam que as vítimas tinham sido mortas pelos rebeldes", que procuram derrubar o regime, afirmou a ONG.

Desde o início da revolta pacífica contra o regime a 15 de março de 2011, que se transformou numa guerra civil, mais de 200.000 pessoas foram detidas nas prisões e nas instalações dos serviços de informações sírios.

Entre elas encontram-se numerosos opositores políticos e defensores dos direitos humanos, como Abdel Aziz al-Khayyer e Mazen Darwish.

Lusa

  • O último adeus às vítimas da tragédia de Vila Nova da Rainha
    1:37

    País

    As cerimónias fúnebres das oito vítimas mortais do incêndio na Associação de Vila Nova da Rainha realizaram-se esta terça-feira. Três delas ocorreram em simultâneo na povoação do concelho de Tondela que, no passado sábado, viu a tragédia bater-lhe à porta.

  • Fóssil humano mais antigo encontrado em Portugal entregue ao Museu de Arqueologia
    3:42

    País

    O mais antigo fóssil humano até hoje encontrado em Portugal, o "Crânio da Aroeira", foi entregue no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa. Em 2014, o fóssil foi encontrado pela equipa do arqueólogo João Zilhão perto de Torres Novas e foi restaurado e estudado na Universidade Complutense de Madrid, durante dois anos e meio.

  • De "lambe rabos" a "labrego", a polémica entre Rodolfo Reis e Bruno de Carvalho
    1:30
  • O Futuro Hoje na maior feira eletrónica de consumo do mundo
    5:14