sicnot

Perfil

Mundo

Imitações do relógio da Apple chegaram ao mercado chinês antes do original

Imitações do relógio que a Apple vai lançar em abril estão já a venda na China. E por cerca de 10% do preço anunciado pela multinacional norte-americana.

O Watch original, da Apple.

O Watch original, da Apple.

© Robert Galbraith / Reuters

No Taobao, o maior portal de comércio eletrónico do mundo, uma cópia aparentemente perfeita do "smart watch" (relógio inteligente) da Apple custa 300 yuan (45 euros), enquanto o modelo original mais barato irá ser comercializado por 2.588 yuan (400 euros).

A produção de cópias ou imitações de 'gadgets' internacionais - e até de obras de arte, incluindo pinturas de Van Gogh ou DaVinci - é um fenómeno comum na China. Algumas cidades chinesas, como Hangzhou, no leste do país, têm mesmo uma Torre Eiffel quase idêntica à de Paris.

Uma das imitações chinesas do relógio da Apple à venda online, chamada "D Watch", é fabricada pela YQT Eletronic Tecnology Co.Ltd, empresa sediada em Shenzhen, a mais próspera zona económica especial do país, adjacente a Hong Kong,

"É uma peça 'gira', embora o desempenho não seja tão bom como o relógio da Apple. Fizemos algumas modificações no design e já solicitámos o registo da patente", disse ao China Daily o diretor da YQT, Zheng Yi.

A empresa, com cerca de cem trabalhadores, fabrica mensalmente "20.000 a 30.000" imitações do relógio da Apple.

"Há oito anos que fazemos 'smartwatches'. Sabemos o que estamos a fazer", afirmou o mesmo responsável.

O lançamento do "smartwatch" da Apple foi anunciado a semana passada pelo presidente da multinacional, Tim Cook.

Estados Unidos, Reino Unido e China integram a lista dos primeiros dez países em que o produto será comercializado, a partir de 24 de abril, mas no mercado chinês, assinalou hoje o China Daily, "as cópias já bateram os originais".



Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras