sicnot

Perfil

Mundo

ONU condena repressão policial contra estudantes na Birmânia

A ONU criticou hoje a repressão duma manifestação estudantil esta semana na Birmânia, exigindo que os participantes sejam libertados e as autoridades investiguem as acusações de uso excessivo de força policial. 

10 de Março de 2015 em Letpadan - forças antimotim, armadas com bastões, dispersaram estudantes e ativistas e detiveram 127 pessoas.

10 de Março de 2015 em Letpadan - forças antimotim, armadas com bastões, dispersaram estudantes e ativistas e detiveram 127 pessoas.

© Soe Zeya Tun / Reuters

Nos últimos dias, manifestações de estudantes birmaneses que exigiam reformas educativas foram brutalmente reprimidas em duas ocasiões. 

Na terça-feira, em Letpadan, no centro do país, forças antimotim, armadas com bastões, dispersaram estudantes e ativistas e detiveram 127 pessoas. 

"Estamos preocupados com a detenção de mais de 100 estudantes e outros manifestantes, que participaram no protesto em Letpadan", na terça-feira, disse Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos. 

Cerca de 60 detidos foram acusados ao abrigo de várias leis, acrescentou. 

"Pedimos ao governo para libertar incondicionalmente todos os detidos no exercício pacífico dos direitos de manifestação e liberdade de expressão e rever leis que restrigem desnecessaria e desproporcionadamente os direitos das pessoas", disse, numa referência à lei sobre o direito de manifestação e concentração pacíficas, ao abrigo da qual vários manifestantes foram acusados. 

Shamdasani indicou que o governo birmanês tinha já aberto uma investigação relativa a outro incidente, em Rangum em 05 de março, mas pediu também que as autoridades "investiguem o que aconteceu nos protestos de terça-feira". 

"O uso da força pelas autoridades só deve ser exercido de forma estritamente necessária e proporcional à ofensa cometida", acrescentou. 

Durante meses, estudantes manifestaram-se na Birmânia (Myanmar) contra a legislação educativa e exigir mudanças, incluindo a descentralização do sistema escolar, autorização para constituir associações de estudantes e o ensino de línguas de minorias étnicas. 

Em 20 de janeiro, os estudantes iniciaram uma marcha na região de Mandalay, no centro do país, com destino a Rangum, para tentarem conseguir a alteração da lei. 

As conversações entre o governo e jovens ativistas levaram à discussão das reformas propostas no parlamento. 

Na semana passada, os estudantes retiraram-se das negociações devido aos esforços policiais para travar os ativistas em Letpadan que pretendiam seguir para Rangum. 


Lusa
  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Casos de cancro nos pulmões diminuem
    3:08

    País

    O mapa do cancro em Portugal está a mudar, pela primeira vez os casos de cancro do cólon ultrapassaram os do pulmão. A proibição de fumar em locais públicos tem levado à diminuição dos casos de tumores pulmonares.

  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28