sicnot

Perfil

Mundo

ONU condena repressão policial contra estudantes na Birmânia

A ONU criticou hoje a repressão duma manifestação estudantil esta semana na Birmânia, exigindo que os participantes sejam libertados e as autoridades investiguem as acusações de uso excessivo de força policial. 

10 de Março de 2015 em Letpadan - forças antimotim, armadas com bastões, dispersaram estudantes e ativistas e detiveram 127 pessoas.

10 de Março de 2015 em Letpadan - forças antimotim, armadas com bastões, dispersaram estudantes e ativistas e detiveram 127 pessoas.

© Soe Zeya Tun / Reuters

Nos últimos dias, manifestações de estudantes birmaneses que exigiam reformas educativas foram brutalmente reprimidas em duas ocasiões. 

Na terça-feira, em Letpadan, no centro do país, forças antimotim, armadas com bastões, dispersaram estudantes e ativistas e detiveram 127 pessoas. 

"Estamos preocupados com a detenção de mais de 100 estudantes e outros manifestantes, que participaram no protesto em Letpadan", na terça-feira, disse Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos. 

Cerca de 60 detidos foram acusados ao abrigo de várias leis, acrescentou. 

"Pedimos ao governo para libertar incondicionalmente todos os detidos no exercício pacífico dos direitos de manifestação e liberdade de expressão e rever leis que restrigem desnecessaria e desproporcionadamente os direitos das pessoas", disse, numa referência à lei sobre o direito de manifestação e concentração pacíficas, ao abrigo da qual vários manifestantes foram acusados. 

Shamdasani indicou que o governo birmanês tinha já aberto uma investigação relativa a outro incidente, em Rangum em 05 de março, mas pediu também que as autoridades "investiguem o que aconteceu nos protestos de terça-feira". 

"O uso da força pelas autoridades só deve ser exercido de forma estritamente necessária e proporcional à ofensa cometida", acrescentou. 

Durante meses, estudantes manifestaram-se na Birmânia (Myanmar) contra a legislação educativa e exigir mudanças, incluindo a descentralização do sistema escolar, autorização para constituir associações de estudantes e o ensino de línguas de minorias étnicas. 

Em 20 de janeiro, os estudantes iniciaram uma marcha na região de Mandalay, no centro do país, com destino a Rangum, para tentarem conseguir a alteração da lei. 

As conversações entre o governo e jovens ativistas levaram à discussão das reformas propostas no parlamento. 

Na semana passada, os estudantes retiraram-se das negociações devido aos esforços policiais para travar os ativistas em Letpadan que pretendiam seguir para Rangum. 


Lusa
  • Marcelo não comenta proposta sobre nomeação do governador do BdP
    0:14

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar a proposta do grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira, que recomenda que o governador do Banco de Portugal seja nomeado pelo Presidente da República. Marcelo não quis comentar o assunto esta quarta-feira durante a tomada de posse do Reitor da Universidade de Lisboa.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.