sicnot

Perfil

Mundo

Papa diz pensar que pontificado será breve e não se sente só

O papa Francisco declarou hoje, no segundo aniversário da eleição, ter "a sensação" que o pontificado pode ser breve, de quatro ou cinco anos, mas desmentiu sentir-se "só e sem apoio". 

O Papa Francisco surge na quarta posição.

O Papa Francisco surge na quarta posição.

© Tony Gentile / Reuters

Numa longa entrevista à cadeia de televisão mexicana Televisa, divulgada integralmente pela Rádio Vaticana, Jorge Bergoglio, 265.º sucessor do apóstolo Pedro, respondeu francamente sobre a possível duração do seu papado, que pode concluir-se com a sua morte ou com uma demissão. 

"Tenho a sensação que o meu pontificado vai ser breve. Quatro ou cinco anos. Não sei. Ou dois ou três. Dois já passaram. É uma sensação um pouco vaga que tenho, a de que o Senhor me escolheu para uma missão breve. Sobre isso, mantenho a possibilidade em aberto", afirmou.

Bento XVI, que foi o primeiro papa em sete séculos a resignar ao cargo, em fevereiro de 2013, "abriu a porta com muito mérito para os papas eméritos. Abriu uma porta institucional", sublinhou. 

Francisco, de 78 anos, não disse que pretende demitir-se um dia. Declarações anteriores neste sentido geraram várias críticas e fortes reações junto de alguns teólogos conservadores. 

"Não me agrada muito", afirmou, sobre a ideia de fixar um limite de idade, aos 80 anos, para a resignação de um papa. O cargo de papa "é uma graça especial", disse. 

Decretar que o fim é aos 80 anos "iria criar uma sensação de fim, de um pontificado destinado a não se acabar bem", acrescentou, aparentemente para tranquilizar os mais conservadores. 

Francisco observou que, para alguns teólogos, a eleição para o pontificado é "um sacramento", mesmo "se não pensa assim". 

O papa falou também do antecessor Bento XVI, retirado no Vaticano, que está "feliz, satisfeito, respeitado por todos". 

"Visito-o, muitas vezes telefono-lhe. Podemos pedir-lhe conselhos. É leal até à morte", garantiu. 

À pergunta "gosta de ser papa?", Francisco respondeu sobriamente e sem entusiamo excessivo: "Não me desagrada". Sublinhou que sempre detestou viajar e que é uma pessoa caseira. 

"A única coisa de que gostava era de poder sair um dia, sem que ninguém me reconhecesse, e ir comer uma 'pizza'", afirmou. 

"Não me sinto só. A sério que não", afirmou, respondendo a uma outra questão. 

Lusa
  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46