sicnot

Perfil

Mundo

Oposição questiona exercícios militares e fala da guerra dos venezuelanos contra a violência

A oposição questionou hoje as "manobras cívico militares especiais" convocadas pelo Presidente Nicolás Maduro para defender a soberania e lutar contra o 'imperialismo', sublinhando que a guerra dos venezuelanos é contra a violência, nas ruas. 

Arquivo SIC

"Aqui não vem nenhuma guerra. Não se deixem levar por contos e novelas 'chimbas' (inventadas). Aqui não vem nenhuma invasão. Tudo isto é para que vocês (os venezuelanos) desviem a atenção para essa tema. Estão procurando distrair o povo da grave crise económica que há. A guerra que vivemos é a da violência", disse Henrique Capriles Radonski.

O Governador do Estado venezuelano de Miranda e ex-candidato presidencial falava durante um ato escolar, na localidade de Guatire (leste de Caracas), onde recordou que todos os dias são assassinadas pessoas na Venezuela e insistiu que para sair da crise económica e da falta de abastecimento de produtos é preciso impulsar a produção nacional.

"Se não produzirmos continuaremos a viver esta situação, que cada dia será mais difícil. Os empreendedores são os protagonistas deste país. A Venezuela é uma terra abençoada, tem tudo para ser uma grande nação e se produzirmos tudo não teremos que importar nada", disse.

Segundo o líder opositor a escassez de produtos na Venezuela é o resultado da destruição da produção, "ninguém pode entender que num país com as reservas de petróleo mais importantes do planeta, não haja nem sabonete para tomar banho".

"O nosso povo tem que fazer filas porque não se produz e não há suficientes dólares para importar (...) além disso a produção de petróleo é insuficiente. Esta é a realidade que temos que mudar", frisou.

Pelo menos 100 mil militares e 20 mil civis (milicianos) participaram sábado em manobras cívico militares especiais convocadas pelo Presidente Nicolás Maduro, centradas na defesa da soberania da Venezuela e na luta contra o 'imperialismo' norte-americano.

Os exercícios, segundo o ministro venezuelano da Defesa, Vladimir Padrino López, vão realizar-se durante 10 dias em várias regiões do país e não pretendem ser "uma demonstração bélica" do sistema de armamento venezuelano, mas uma "articulação cívico militar".

A 11 mar de março, o Presidente Nicolás Maduro, anunciou a realização de um "exercício militar defensivo especial", em resposta à decisão dos EUA de impor sanções contra funcionários de Caracas e de declarar que a Venezuela é uma "ameaça" para a segurança norte-americana.

"Ordenei, no quadro do plano de exercícios militares de 2015, um exercício militar defensivo especial", disse.

O Presidente dos EUA, Barack Obama, ordenou segunda-feira a aplicação de novas sanções a altos responsáveis venezuelanos, atuais e antigos, que acusa de violação dos direitos humanos.

As sanções a aplicar a sete altos responsáveis venezuelanos, entre os quais o diretor-geral dos serviços secretos e o diretor da polícia nacional, são a proibição de entrada nos Estados Unidos e o congelamento de bens.

Obama declarou igualmente que existe uma situação de "emergência nacional" nos EUA devido ao "extraordinário risco" que representa a situação na Venezuela para a segurança norte-americana.


LUSA
  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.