sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro diz que governo chinês "ainda dispõe de instrumentos para estimular o crescimento"

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, admitiu hoje que "não será fácil" a China crescer este ano "cerca de 7%", mas salientou que o governo ainda dispõe de instrumentos para impulsionar o crescimento.

© Jason Lee / Reuters

"A boa notícia é que nos últimos dois anos não recorremos a estímulos massivos para fomentar o crescimento económico. Isso possibilita-nos amplo espaço para exercer regulação macroeconómica e ainda temos à nossa disposição uma série de instrumentos políticos", disse Li Keqiang.

O primeiro-ministro chinês falava numa conferência de imprensa realizada no Grande Palácio do Povo, em Pequim, após o encerramento da reunião anual da Assembleia Nacional Popular (parlamento).

No relatório aprovado por 99% dos cerca de 3.000 deputados, o governo chinês preconiza para este ano um crescimento de "cerca de 7%", menos 0,4 pontos percentuais do que em 2014 e menos 0,7 pontos percentuais do que em 2013 e 2012. 

Um crescimento de 7% numa economia com a dimensão da China, a segunda maior do mundo, a seguir aos Estados Unidos, equivale ao Produto Interno Bruto de um país médio, referiu Li Keqiang.

"Queremos melhorar a qualidade e o desempenho da nossa economia e manter um índice médio-alto de crescimento", afirmou o primeiro-ministro chinês.

"Isso dará uma base sólida para conseguir a modernização e será também o contributo da China para a recuperação económica global", acrescentou.

Li Keqiang afirmou que o governo chinês "está preparado" para adotar estímulos económicos se o abrandamento "vier a afetar o emprego e diminuir o rendimento da população".

"Estou confiante", disse.

O primeiro-ministro reconheceu que a China enfrenta "dificuldades" e "pressões de abrandamento", mas insistiu que o país "deve manter um forte crescimento e fazer, ao mesmo tempo, ajustamentos estruturais".

"O desenvolvimento permanece a nossa primeira prioridade", afirmou.

Em 2010, a China tornou-se a segunda economia mundial, ultrapassando o Japão, mas quanto ao valor do Produto Interno Bruto per capita, que Li Keqiang considerou um indicador "mais importante", tem 80 países à sua frente, realçou o primeiro-ministro chinês.


LUSA
  • Apoiar o Governo "é um dever constitucional"
    0:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que apoiar o Governo é um dever constitucional do Presidente da República. Num balanço do primeiro ano em Belém, Marcelo respondeu assim a quem o acusa de andar com o Governo "ao colo".

  • Brexit só avança com aprovação parlamentar
    3:04

    Brexit

    O Supremo Tribunal britânico decidiu que o Governo precisa de ter a aprovação do Parlamento para avançar com o Brexit. A decisão foi validada por uma maioria de oito contra três juízes e justificada esta terça-feira pelo Supremo britânico. Por consequência, a libra esterlina atingiu a cotação mais alta do ano em relação ao dólar.

  • Primeira-ministra da Escócia apela ao voto contra a saída da UE
    2:25

    Brexit

    Depois da decisão do Supremo Tribunal britânico em relação ao Brexit, a primeira-ministra da Escócia veio pedir aos deputados que votem contra a saída da União Europeia. Nicola Sturgeon vai apresentar uma moção no Parlamento escocês para que este se pronuncie sobre o Brexit.

  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.

  • As propostas Chanel para a próxima estação
    1:34

    Mundo

    Um dos desfiles mais aguardados do mundo da moda aconteceu esta segunda-feira, em Paris, com as propostas da casa Chanel para a próxima estação primavera/verão. No final do desfile, e pela primeira vez em 30 anos, Karl Lagarfeld não deu nenhuma entrevista à comunicação social.