sicnot

Perfil

Mundo

EUA e Cuba prosseguem conversações com desacordo sobre Venezuela em fundo

Os representantes de Cuba e dos Estados Unidos reuniram-se hoje em Havana para novas conversações para restabelecer relações diplomáticas, num momento em que os dois países estão em desacordo quanto à Venezuela.

Ramon Espinosa / AP

Após as duas rondas de negociações de janeiro e fevereiro em Havana e Washington, a subsecretária de Estado norte-americana para o Hemisfério Ocidental, Roberta Jacobson, começou a discutir à porta fechada com Josefina Vidal, encarregada dos Estados Unidos no Ministério dos Negócios Estrangeiros cubano, disse uma fonte diplomática norte-americana citada pela agência de notícias francesa, AFP.

Ao contrário do que aconteceu nas anteriores rondas de discussões, Jacobson e Vidal não falaram à imprensa no final desta sessão de negociações, o que faz crer que delas não sairá qualquer anúncio importante.

"As partes estão em comunicação desde o seu último encontro, em fevereiro, em Washington", precisou o departamento de Estado antes da chegada de Roberta Jacobson, no domingo.

"Restabelecer relações diplomáticas e reabrir as embaixadas é do interesse dos dois países", sublinhou o departamento de Estado num breve comunicado, levantando uma ponta do véu sobre o tema das discussões.

Depois do anúncio histórico, a 17 de dezembro, da reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos, que estiveram de costas voltadas durante 53 anos, o Presidente norte-americano, Barack Obama, pretende a reabertura de embaixadas nas duas capitais antes da Cimeira das Américas, que se realizará no Panamá a 10 e 11 de abril.

Mas as novas sanções anunciadas na semana passada por Washington contra altos responsáveis da Venezuela e as afirmações de Obama classificando a situação no país como "uma ameaça incomum e extraordinária contra a segurança" dos Estados Unidos poderão ser obstáculos aos seus planos.

Havana apressou-se a defender o seu estimado aliado político e económico (que lhe fornece 60% do seu petróleo), classificando as sanções como "arbitrárias e agressivas", "uma ingerência" e uma decisão "sem fundamento".

O ministro dos Negócios Estrangeiros cubano, Bruno Rodríguez, foi no sábado a Caracas para expressar "a solidariedade absoluta da Revolução Cubana", afirmando que os Estados Unidos "degradaram gravemente" a atmosfera na região.

No domingo à noite, pouco após a chegada de Roberta Jacobson, as autoridades cubanas realizaram um grande concerto "de apoio ao povo e ao Governo bolivarianos" da Venezuela, bem como pela "paz, a justiça e a unidade latino-americana".

Apesar de um responsável do departamento de Estado ter admitido que Washington ficou "desiludido" com estas atitudes, garantiu que "elas não terão impacto nas conversações em curso".







Lusa
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.