sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 80 mortos em ataque de pastores contra agricultores na Nigéria

Pelo menos 80 pessoas morreram num ataque perpetrado no domingo por homens armados a comunidades agrárias do estado nigeriano de Bénoué, no centro da Nigéria, informaram hoje fontes parlamentares e policiais citadas pela agência noticiosa Efe.

Um balanço inicial divulgado no domingo dava conta de um total de 45 mortos. 

O ataque ocorreu na madrugada de domingo (05:00 locais e 04:00 em Lisboa), quando homens armados invadiram a comunidade Egba, segundo testemunhas citadas pela imprensa local. 

Os confrontos entre pastores nómadas e agricultores pela exploração de recursos são frequentes no centro da Nigéria. 

Um deputado pela circunscrição de Agatu, Alhaji Sule Audu, disse aos jornalistas: "Chegaram centenas de atacantes. Até agora foram recuperados 80 cadáveres".

Segundo Sule, moradores em fuga refugiram-se em Ogbalu e Obagaji, sede do governo local de Agatu, enquanto outros continuam deslocados.

Há mais de uma década, os confrontos relacionados com a ocupação da terra são frequentes entre criadores de gado muçulmanos 'fulani' e comunidades cristãs, nomeadamente no centro da Nigéria, país dividido entre um norte de maioria muçulmana e um sul de maioritárimente cristão.

A violência entre comunidades de agricultores e criadores de gado causaram dez mil mortos nos últimos 20 anos, no centro do país, de acordo com estimativas de organizações de defesa dos direitos humanos, como a Human Rights Watch. 

Os criadores de gado queixam-se há vários anos de estarem a perder terras para a agriculturas, afirmando serem vítimas de uma discriminação sistemática. 

Os conflitos diferem de estado para estado e ganham uma perspetiva religiosa nas regiões onde os agricultores são maioritariamente cristãos. 

 

Lusa
  • Presidente da IPSS "O Sonho" garante que vai demitir-se
    0:57

    País

    A PJ de Setúbal fez esta sexta-feira buscas em três instituições de solidariedade social e em casas particulares ligadas à IPSS "O Sonho", por suspeitas de peculato de uso, fraude na obtenção de subsídios e falsificação de documentos. O presidente da associação nega as suspeitas e diz que está de "consciência tranquila". Florival Cardoso, que é o principal visado na investigação, fala sobre uma "caça às bruxas" e garante que vai demitir-se, porque considera que está a ser cometida uma "enorme injustiça".

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00