sicnot

Perfil

Mundo

Comissário da polícia admitiu responsabilidade pela tragédia de Hillsborough

O comissário de polícia encarregado da segurança no estádio de Hillsborough (Inglaterra), aquando da tragédia de 1989, admitiu esta terça-feira que a sua decisão de abrir uma entrada durante o jogo foi a "causa direta" de 96 adeptos.

David Duckenfield, de 70 anos, fez as declarações a um inquérito judicial sobre o caso, a decorrer em Warrington, afirmando na ocasião ter ficado "gelado" no momento do acidente ocorrido numa meia-final da Taça de Inglaterra, entre o Liverpool e o Nottingham Forest.

David Duckenfield, de 70 anos, fez as declarações a um inquérito judicial sobre o caso, a decorrer em Warrington, afirmando na ocasião ter ficado "gelado" no momento do acidente ocorrido numa meia-final da Taça de Inglaterra, entre o Liverpool e o Nottingham Forest.

© Phil Noble / Reuters

David Duckenfield, de 70 anos, fez as declarações a um inquérito judicial sobre o caso, a decorrer em Warrington, afirmando na ocasião ter ficado "gelado" no momento do acidente ocorrido numa meia-final da Taça de Inglaterra, entre o Liverpool e o Nottingham Forest. 

O antigo comissário dispôs de três minutos para "pensar nas consequências" que teria abrir-se uma nova porta de entrada para o estádio, enquanto os adeptos se aglomeravam antes do jogo. 

O advogado da Federação de Polícia de Inglaterra e Gales, Paul Greaney, disse que uma criança "de inteligência média" se teria dado conta do que implicaria abrir a porta para que entrassem mais de dois mil adeptos durante o jogo.

Um total de 96 adeptos morreram esmagados numa 'avalanche' humana, a 15 de abril de 1989.

A 12 de setembro de 2012, uma comissão de investigação independente concluiu no Reino Unido que a polícia britânica foi responsável direta pela tragédia de Hillsborough, por ter a seu cargo a segurança do estádio nesse dia. 
Lusa
  • Equipa da Sky News testemunha combates porta-a-porta em Mossul
    5:17

    Daesh

    Uma equipa de reportagem da Sky News testemunhou vários combates feitos porta-a-porta em Mossul. Na linha da frente, o combate é cada vez mais intenso, com as forças governamentais a tentarem eliminar o Daesh. Há cada vez mais escassez de alimentos e de água e muitos civis são usados como escudos humanos pelos combatentes do Daesh.