sicnot

Perfil

Mundo

Messenger do Facebook vai permitir enviar dinheiro

A aplicação Messenger, do Facebook, já não serve, somente, para enviar "smiles", fotos e texto. Segundo o The New York Times, o serviço de mensagens instantâneas vai poder ser usado para enviar dinheiro.

© Dado Ruvic / Reuters

A rede social Facebook anunciou, esta terça-feira, que os utilizadores norte-americanos da aplicação Messenger vão poder, através dos cartões de débito, transferir dinheiro tão facilmente como enviar uma mensagem ou texto.

Devido à dimensão do Facebook, a introdução desta nova funcionalidade - que foi antecipada por Wall Street - pode causar tremores no mercado emergente que permite enviar dinheiro.

O WeChat (que é, essencialmente, o Facebook da China) e outros serviços de comunicação baseados na Ásia, como o Alipay, permitem aos centenas de milhares de utilizadores mandarem dinheiro por mensagens instantâneas. No entanto, a tecnologia só está a começar a aparecer agora nos Estados Unidos.

A empresa da aplicação do Messenger é uma das maiores do Mundo, com mais de 500 milhões de utilizadores por mês.

Com este serviço, o Facebook quer simplificar o processo tanto quanto possível, de acordo com Steve Davis, gerente de produtos que está à frente do projeto. "Sabemos que as conversas sobre dinheiro estão sempre a acontecer", afirmou numa entrevista. "Mas a maior parte começam num sítio e terminam noutro".

O Facebook quer manter o pagamento e a conversa em apenas uma mensagem. Assim, mesmo ao lado do botão de "like" estará um ícone com um dólar. Se um número de cartão de crédito já estiver guardado na aplicação, vai ser possível enviar dinheiro para a pessoa com quem se está a conversar clicando no sinal do dólar para se introduzir, posteriormente, uma quantia. Toda a conversa é guardada para referência futura.

Por usar cartões de débito para assegurar a transferência, o dinheiro move-se relativamente rápido entre as duas contas bancárias o que permite à rede social de Mark Zuckerberg oferecer um serviço grátis e sem quaisquer encargos para os utilizadores.
  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.