sicnot

Perfil

Mundo

Messenger do Facebook vai permitir enviar dinheiro

A aplicação Messenger, do Facebook, já não serve, somente, para enviar "smiles", fotos e texto. Segundo o The New York Times, o serviço de mensagens instantâneas vai poder ser usado para enviar dinheiro.

© Dado Ruvic / Reuters

A rede social Facebook anunciou, esta terça-feira, que os utilizadores norte-americanos da aplicação Messenger vão poder, através dos cartões de débito, transferir dinheiro tão facilmente como enviar uma mensagem ou texto.

Devido à dimensão do Facebook, a introdução desta nova funcionalidade - que foi antecipada por Wall Street - pode causar tremores no mercado emergente que permite enviar dinheiro.

O WeChat (que é, essencialmente, o Facebook da China) e outros serviços de comunicação baseados na Ásia, como o Alipay, permitem aos centenas de milhares de utilizadores mandarem dinheiro por mensagens instantâneas. No entanto, a tecnologia só está a começar a aparecer agora nos Estados Unidos.

A empresa da aplicação do Messenger é uma das maiores do Mundo, com mais de 500 milhões de utilizadores por mês.

Com este serviço, o Facebook quer simplificar o processo tanto quanto possível, de acordo com Steve Davis, gerente de produtos que está à frente do projeto. "Sabemos que as conversas sobre dinheiro estão sempre a acontecer", afirmou numa entrevista. "Mas a maior parte começam num sítio e terminam noutro".

O Facebook quer manter o pagamento e a conversa em apenas uma mensagem. Assim, mesmo ao lado do botão de "like" estará um ícone com um dólar. Se um número de cartão de crédito já estiver guardado na aplicação, vai ser possível enviar dinheiro para a pessoa com quem se está a conversar clicando no sinal do dólar para se introduzir, posteriormente, uma quantia. Toda a conversa é guardada para referência futura.

Por usar cartões de débito para assegurar a transferência, o dinheiro move-se relativamente rápido entre as duas contas bancárias o que permite à rede social de Mark Zuckerberg oferecer um serviço grátis e sem quaisquer encargos para os utilizadores.
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.